CACHORRO-QUENTE E TALHER

Quando Natal e Mossoró tinham o hábito recíproco de atribuírem-se algumas piadas, em geral inocentes, não agressivas, meros exercícios de bom humor, era comum ouvir-se na capital que na maior cidade do interior do Estado comia-se cachorro-quente de talher. Para não ficar só com uma natalense, em Mossoró se dizia que a televisão em Natal era como…
Leia mais...

A FESTA ERA PARA TODOS

“Eu quero ir no forró de Zé de Ana, abraçar as conterranas e dançar o arrasta-pé”. Cantou assim o Trio Mossoró. O Forró de Zé de Ana ficava na Pedro Velho. Mas, havia outros pela cidade, geralmente na residência de quem promovia a festa. Lembrando apenas alguns, no Bom Jardim tinha o de Maria Beata e o de Raimundo Meia-Garrafa. Nas Barrocas o de…
Leia mais...

PORTO SANTO ANTONIO

A comunidade rural de Santo Antônio está a cerca de 6 quilômetros do centro de Mossoró, sentido norte, e compreende o antigo porto, na margem esquerda do rio e a área vizinha, por onde passa estrada de terra que antes levava às salinas e à Cidade de Grossos, ou até a Areia Branca, indo por Porto Franco e atravessando na balsa. Nessa parte, nos anos…
Leia mais...

BECO DAS FRUTAS

Foi um local característico do centro de Mossoró. Pela Pça. do Mercado, Pça. Otávio Lamartine, caminhando-se pela calçada a partir da Casa Santa Terezinha, de seu Malaquias, ou do Café de Seu Né, chegava-se ao Beco das Frutas. Logo à entrada, já se visualizava o ambiente caótico, folhas de bananeira atapetando aleatoriamente o piso da rua, cartão…
Leia mais...

SALINEIROS

Fechando o ciclo salinas e salineiros, temos, em perspectiva histórica, a figura propriamente dita do trabalhador dessa tão relevante atividade para a região. Consideramos o registro interessante porque, embora a profissão subsista aqui, ela é diferente, e o perfil do antigo salineiro é possivelmente desconhecido até dos que hoje exercem a função.…
Leia mais...

SALINAS

O epíteto “terra do sal” explicaria para quem chegasse hoje por essas bandas a importância que tem, aqui, o tema das salinas, ao qual voltamos agora pela sua dimensão, incomparável com a deste espaço. Já nos referimos ao sindicado dos trabalhadores. Tem razão quem pensar que o título decorre de a cidade ser a maior de uma região que abrange…
Leia mais...

AS FESTAS DE RAIMUNDO SACRISTÃO

Quando, nos últimos dias de maio, rádios e jornais mossoroenses começavam a noticiar as Trezenas de Santo Antônio, referiam-se sempre à data de seu início, primeiro de junho; ao local de sua realização, Rua 13 de maio, e ao organizador da jornada festivo-religiosa, Raimundo Nunes Rodrigues Filho. A notícia servia para lembrar à cidade o que…
Leia mais...

A LOJA DE DISCOS DA CASA RÁDIO

A Casa Rádio, de José Claudio & Cia, foi uma das lojas mais conhecidas do comércio mossoroense do seu tempo. Na esquina da Idalino de Oliveira com Santos Dumont vendia rádios, como se deduz pelo nome, e diversos outros produtos eletrônicos, além de outros artigos. Foi das primeiras a vender aparelhos de TV. Antes de haver sinal de TV em…
Leia mais...

ESCOLAS DA PREFEITURA

Preferi Escolas da Prefeitura em vez de Escolas Municipais para diferenciar das escolas formais mantidas pelo município, funcionando em prédios construídos para esse fim, dispondo de professores com formação específica, direção e estrutura administrativa e integrada a um sistema de ensino reconhecido pelos órgãos nacionais de educação. Aquelas a…
Leia mais...

OS SERESTEIROS

Seresteiro. Que compõe ou participa de serestas. Seresta no Brasil é o mesmo que serenata, Não há por aqui serenateiro. Os dicionários registram serenatista, mas você, como eu, provavelmente nunca ouviu essa palavra. Diz-se também sereneiro, alusão evidente ao sereno da noite, palco ilimitado do seresteiro, que ao quebrar com cantos simples e…
Leia mais...