Coisas que se foram antes
Amós Oliveira é mossoroense, médico, servidor público federal aposentado.

ANTIGO COMÉRCIO DE MOSSORÓ

Na crônica “Casa das Lâmpadas” que dá título a um de seus livros, David Leite faz um belo resgate, quase poético, do antigo estabelecimento e aproveita para um passeio igualmente lírico pela Rua Cel. Gurgel. No final, dá a deixa para outros discorrerem sobre o tema. É o que vamos tentar fazer, não do mesmo jeito, mas com o mesmo espírito. Havia…
Leia mais...

AUDITÓRIO DA RÁDIO TAPUYO

O rádio em seu período áureo era simplesmente uma caixa que falava. Como apenas se ouvia, a figura de quem falava ficava inteiramente disponível para a imaginação do ouvinte. Aqueles que, mais que ouvintes, admiravam o rádio, buscavam oportunidade de visitar um estúdio, curiosos em conhecer a caixa mágica por dentro. Uma forma de colocar essas…
Leia mais...

SERVIÇOS DE ALTO-FALANTES

Hoje, quase não há qualquer lembrança dos serviços de alto-falantes que existiam em alguns pontos comerciais de certos bairros. Eles desapareceram já em meados dos anos 60 de tal forma que tendem a se apagar definitivamente da memória comum e essa também é uma razão para que se faça o registro. Tinham a chamada “boca de ferro” fixada a um mastro de…
Leia mais...

PARQUES DE DIVERSÕES

Só em dezembro eles tinham acesso ao centro da cidade. Festa de Santa Luzia. Armados na Av. Dix-sept Rosado, os parques de diversões eram os mesmos que nos demais meses do ano encontravam nos terrenos baldios dos bairros o seu leito natural. Diversão popular, cafona antes do registro do termo nos dicionários, despretensioso. Woody Allen imaginou…
Leia mais...

MOSSORÓ E AS BICICLETAS

A quantidade atual de motocicletas em Mossoró oferece uma ideia do número de bicicletas que percorriam nossas ruas, então com pisos de areia, na grande maioria. Com uma observação: proporcionalmente à população o número de bicicletas era maior. Se o automóvel era reservado a poucas famílias e motocicletas, geralmente importadas, também não eram…
Leia mais...

NOSSAS BODEGAS

É possível ver nas bodegas mais do que delas se costuma dizer. Elas tinham, 30, 40 anos atrás, características que só eram possíveis naquela época. E as nossas tinham, talvez, algumas peculiaridades. No centro da cidade e principalmente nos bairros havia bodegas e bodegueiros referenciais. Descrever cada uma e cada um exigiria pesquisa e espaço.…
Leia mais...

CALENDÁRIOS DE PAREDE

Não se inova ao dizer que nada é entendido fora de seu contexto. Tal afirmação se aplica quando falamos do modo de ser de uma sociedade, do qual estamos temporalmente distantes e mais distante ele está da cultura planetária em rápida superação de si mesma, à qual nos habituamos. O Brasil nos anos 1950, l960, ainda é um país de características…
Leia mais...

A HORA DA USINA E DA FITEMA

A COMEMSA (Cia Melhoramentos de Mossoró S/A) era a empresa de energia elétrica em Mossoró. Energia produzida por uma usina termelétrica. A FITEMA (Fiação Tecelagem Mossoró S/A) fabricava tecidos simples para sacos de embalar cereais. Ambas na região central da cidade, próximo ao rio, de um lado e de outro, a primeira na Jerônimo Rosado e a outra no…
Leia mais...

SINDICATO DOS SALINEIROS

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Extração do Sal do RN. Extenso nome do que ficou conhecido simplesmente por sindicato dos salineiros. Havia uma discussão se salineiro era o dono ou trabalhador de salinas. O “Aurélio” diz que é quem fabrica ou vende o sal. Portanto, pega todo mundo. Foi provavelmente a segunda instituição sindical da…
Leia mais...

OS OUTROS CONVIVAS DO RIO MOSSORÓ

Outros personagens, além das lavadeiras, compunham a paisagem humana do rio. Antes da década de 1970 Mossoró possuía uma pequena e precária rede de distribuição de água encanada, que cobria a região central da cidade. As demais residências dependiam da água do rio para as necessidades básicas e a função de fazê-la chegar às casas era exercida pelos…
Leia mais...
1 De 4