As dores de cabeça dos consignados

Os empréstimos consignados são, nesses tempos de dificuldades financeiras, uma excelente alternativa para quem deseja dar uma aliviada nas contas. Economistas sempre orientam que, em caso de aperto, se recorra a essa modalidade de crédito. Por uma razão simples: ter uma das menores taxas do mercado. Quando as dívidas começam a se acumular, a orientação é para fazer um empréstimo maior que dê para quitar todas as contas menores e ficar com apenas um débito fixo (para cobrir as demais contas, o empréstimo dever ser de um valor bem maior e, portanto, para pagamento a médio e longo prazos).

Os consignados de servidores públicos tem se constituído numa dor de cabeça. Para trabalhadores e governos. O motivo: os atrasos nos repasses. A prefeitura de Mossoró prometeu que sanaria o problema no final de abril. Ainda não o fez. O Governo do Estado pretende regularizar em setembro. Até lá, os servidores, municipais e estaduais, seguem sem poder fazer os empréstimos. No caso da prefeitura de Mossoró, nem os bancos privados aceitam emprestar dinheiro aos servidores municipais. Para piorar, os trabalhadores recebem mensalmente cartas da Caixa informando que colocará os nomes dos trabalhadores nos cadastros de inadimplentes.

 

PERSEGUIÇÃO

Lá pelas bandas de Triunfo Potiguar o clima está quente. Há servidores da prefeitura denunciando que estão sendo vítimas de perseguição política. O caso já foi parar no Ministério Público.

CORTE

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) está informando à comunidade acadêmica que o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) anunciou que estão suspensas as indicações de bolsistas de todas as modalidades, dentre estas as de iniciação científica para composição do quadro de bolsistas PIBIC/CNPq. Motivo: falta de dinheiro. A UERN teve a suspensão de 5 bolsas PIBIC/CNPq e 21 bolsas PIBIC-EM/CNPq. As bolsas atualmente vigentes terão garantia de pagamento apenas até o mês de agosto, cujos valores serão depositados no início de setembro. Tempos sombrios em que a educação é perseguida pelo presidente.

MORO

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, se recusou a entregar cópia do material sobre o escândalo dos laranjas do PSL, partido de Bolsonaro. O ministro recolheu material da investigação e repassou a Bolsonaro. Agora, se recusa a dizer o que entregou ao patrão. Mais uma ilegalidade do ministro da Justiça.

ILEGALIDADE

Falar em ilegalidade é lembrar que para evitar que seus filhos se submetam à necessária investigação para comprovação ou não das suspeitas que pesam sobre eles, o presidente Bolsonaro mudou a direção da Polícia Federal, mudou o COAF de lugar (vai mudar de novo), faz ameaças. Tudo pela impunidade e para contribuir com a corrupção, justamente aquilo que ele disse que iria combater.

SINTAUERN

Amanhã, 20/8, acontece a votação no processo eleitoral para escolha da nova diretoria do Sindicato dos Técnicos Administrativos da UERN (SINTAUERN). Duas chapas concorrem. A chapa 1, de oposição, encabeçada por Érika Larissa, e a chapa 2, que tem o atual presidente, Elineudo Melo, como candidato à reeleição. A disputa está acirrada.

ADUERN

Na quarta-feira, dia 21/8, será a vez de os processos irem às urnas para escolha da nova diretoria da Associação dos Docentes da UERN (ADUERN). Apenas uma chapa inscrita, tendo à frente a professora Patrícia Batista Barra Medeiros Barbosa.

CONDENAÇÃO

A Justiça condenou a prefeitura de Cruzeta a pagar o enquadramento das progressões horizontais de 9 professores. A ação foi impetrada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Cruzeta (SINDSERVCRUZETA).

EMENDAS

A deputada Isolda Dantas (PT) leva o Projeto Emendas Populares Abolição IV. Será no próximo sábado, 24/8, a partir das 16h, na Escola Estadual Hermógenes Nogueira da Costa. Pelo projeto, a deputada ouve sugestões da população para a aplicação dos recursos das emendas parlamentares.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...