Quando o apego pelo cargo se sobrepõe à honra

MARCIO ALEXANDRE


O professor Josué Moreira foi candidato a prefeito de Mossoró em pelo menos 3 oportunidades. Em todas, logicamente, se apresentando como melhor alternativa entre os postulantes à cadeira de prefeito e criticando o que se convencionou chamar de “velha política”.

Bradando ideais democráticos e libertários, Josué Moreira nunca economizou nas palavras duras contra seus adversários políticos. Para coroar seu discurso, em entrevista publicada pelo Portal Mossoró Hoje, no dia 26 de julho, Josué Moreira afirmou: “o povo é quem decide quem ele quer colocar no Palácio da Resistência”. Josué Moreira enaltecia, dessa forma, o poder do voto, por meio do qual, soberanamente, numa eleição, as pessoas escolhem que vai ocupar os cargos públicos.

Cargo público que, por ironia do destino, Josué Moreira vai ocupar na Reitoria do Instituto Federal de Educação e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) com uma nomeação que, pasmem, fere de morte a democracia que Josué tanto diz defender. Ou dizia.

Josué Moreira foi nomeado reitor pro tempore pelo governo Bolsonaro em desrespeito ao resultado da eleição na qual saiu vitorioso o professor José Arnóbio.

O professor Josué Moreira divulgou nota dizendo que se sente honrado em ter sido nomeado para o cargo. Ele pode até se sentir, mas talvez não tenha honra nenhuma. Teria honrado os 3.025 eleitores que votaram nele em 2014 (sua maior votação nos pleitos municipais de que participou) se tivesse recusado a oferta.

Disse que se sente capacitado para o cargo. Os 4 candidatos que participaram das eleições em dezembro de 2019 também. Se sentiram – e o são – tão capacitados que colocaram seus nomes para escolha por professores, alunos e funcionários. Coisa que o próprio Josué não fez.

Ao auto elogiar-se com uma nota pública, Josué Moreira deixa claro que quer ser a estrela de uma festa para a qual sequer tinha convite. Para ser mais claro: entrando de penetra.

Com a aceitação do cargo, Josué Moreira joga na lama tudo o que disse defender. Junto com o discurso, vai grande parte da admiração que colegas, alunos e funcionários tinham por ele.

Não tardará para que ele descubra que não se ganha respeito, na comunidade acadêmica ou na vida política, entrando pela porta dos fundos.

 

P.S.: em tempo: Josué Moreira é filiado ao PSL, mesmo partido ao qual Bolsonaro era filiado até brigar com colegas de sigla pela verba do fundo eleitoral. Para Josué isso não foi determinante em sua nomeação.


SEM FISCALIZAÇÃO

Na próxima quinta-feira, 23 de abril, vence o atual decreto municipal que determina o fechamento do comércio de Mossoró. Apesar de ter força de lei, o documento só está sendo cumprido por aqueles comerciantes com um pouco mais de consciência. Não há fiscalização alguma. Sábado, 18/4, fui ao Centro. Do Alto de São Manoel às ruas do bairro comercial, tinha lojas aberto à vontade.

 

SEM FISCALIZAÇÃO I

Além de permitir as tão famosas aglomerações que tanto risco trazem à saúde das pessoas, a falta de fiscalização penaliza os que estão cumprindo o decreto. Se não houver fiscalização, não há sentido na prorrogação do decreto.

 

PIADA RUIM

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu para o Supremo Tribunal Federal (STF) investigar as manifestações contra a democracia realizadas ontem no país. Aras parece querer o picadeiro, mas não demonstra graça alguma.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...