Quando domingo é todo dia, nenhum dia é domingo

Uma das sacadas mais inteligentes da humanidade foi nomear os dias. O fato de nos situarmos no tempo nessa perspectiva é uma das formas de manter a esperança de que o dia seguinte será sempre melhor que o atual. É também meio de estabelecermos prioridades, definir estratégias, e até mesmo controlar ansiedades.

A divisão temporal do trabalho também contribuiu para que tenhamos uma relação harmoniosa com o passar das horas. Trabalhar de segunda a sábado (meio turno) com um dia e meio de descanso fez – ou pelo menos deveria ter feito – com que valorizássemos o período de descanso.

Quase tudo isso parece estar se esvaindo no tempo, nos dias atuais. A pandemia do coronavírus nos obrigou a ficar em casa e, durante todo esse período de isolamento social, não está tão fácil saber em qual dia da semana estamos.

Tirando algumas atividades esporádicas de alguns grupos de pessoas, a vida tem se resumido, no mais das vezes, a comer, assistir TV e dormir. É o que muita gente tem nos relatado.

Sem a necessidade de ter hora certa para dormir à noite, sem a obrigação de acordar cedo pela manhã e sem as idas e vindas do trabalho com horários determinados, os dias parecem ter se tornado eternos domingos. Mas sem a graça de um dia esperado, sem a a alegria de um dia diferente, porque quando domingo é todo dia nenhum dia é domingo.


PERDEMOS EMERY

Lamentável a perda do jornalista Emery Costa, vitimado pela Covid-19. Uma figura humana especial, um jornalista grandioso. Iniciei minha carreira no jornalismo em 1995, como revisor de textos em O Mossoroense e minha primeira grande alegria do dia de trabalho era revisar a coluna de Emery. Na realidade, não era trabalho, era lazer. Texto leve, aguçado, inspirador. Deixa muita saudade. Que Deus o tenha em Sua morada.

RETORNO DO FUTEBOL

O Ministério da Saúde aprovou o retorno do futebol. Os Estados estão divididos. São Paulo, onde a pandemia tem número recorde de doentes e mortes por Covid-19, deverá ser um onde o retorno vai demorar mais. Rio de Janeiro estendeu as medidas restritivas.

RETORNO DO FUTEBOL II

Impostante pontuar duas questões: o sinal para o retorno foi dado pelo Ministério da Saúde após mudança no comando na pasta. Aliás, é de se perguntar se temos um ministro da Saúde. A segunda questão: Rio Grande do Sul é o Estado que deve retornar primeiro. É lá que trabalha o treinador Renato Gaúcho, assessor informal do presidente nessa área. De toda sorte, acho prematuro um retorno agora.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...