Desafio

Governo tenta aprovar hoje crédito extraordinário para pagar folhas salariais

Matéria terá que ser lida na sessão ordinária de hoje para, depois, ser votada numa possível sessão extraordinária

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte tem hoje uma verdadeira batalha na Assembleia Legislativa (AL/RN) na tentativa de aprovar o crédito extraordinário de cerca de R$ 1,8 bilhão para pagamento das folhas salariais, especialmente o mês de dezembro e o décimo terceiro salário de 2019.

O caminho promete ser tortuoso. Como a mensagem não foi lida na sessão anterior a de hoje, ela precisa ser lida na sessão ordinária desta quarta-feira. Caso isso ocorra, será necessário ainda que seja convocada uma sessão extraordinária para que haja a votação da matéria em plenário. O grande desafio será conseguir a leitura.

Parte dos deputados da oposição tem obstaculizado a entrada da matéria na pauta das sessões. Sem argumentos convincentes, buscam emperrar a aprovação do crédito, condição fundamental para que os pagamentos. Enquanto isso, os servidores vivem a angústia de não saber se receberão seus salários.

O deputado Souza (PHS) defendeu ontem, no plenário da AL/RN a necessidade de aprovação do mencionado crédito. Segundo o parlamentar, a matéria deveria ter sido enviada pela gestão passada, o que não aconteceu, e vai assegurar o pagamento dos salários dos servidores.

“Quando estávamos elaborando o Orçamento 2019, ficou clara a necessidade do crédito. O relator da matéria, o secretário Fernando Mineiro (PT), que era deputado à época, demonstrou que existia o déficit. Pedimos à gestão anterior para enviar o pedido, mas isso não foi feito. A atual gestão está, na verdade, corrigindo essa diferença”, explicou o deputado.

Souza afirmou que o crédito deve ser aprovado o quanto antes pela Assembleia, pois só assim, nas palavras dele, “os salários dos servidores estaduais serão pagos e os que estão atrasados poderão ser honrados”. “Se eu tiver que pagar o preço por aprovar essa matéria, eu vou pagar”, finalizou o parlamentar. (Com informações da AL/RN)

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...