Entrevista

Conversa da Semana com Luiz Jairo

Na próxima segunda-feira, 16/9, a cidade de Upanema comemora 66 anos de emancipação política. Como acontece em todos os anos, desde que o prefeito Luiz Jairo assumiu o comando da municipalidade, uma grande festa é realizada para celebrar a data. Em 2019, as comemorações iniciaram dia 8 passado e seguem até dia 16/9. Nesses tempos de crise, surpreende que uma cidade do interior consiga tal feito, uma vez que a programação inclui shows, atividades esportivas, culturais e entrega de obras. Nessa entrevista, o prefeito Luiz Jairo revela como é possível tal feito e diz que além do planejamento e da busca pela otimização de receitas, os prefeitos precisam organizar as finanças das cidades de forma a permitir que seja feita uma reserva financeira para os imprevistos. “As receitas oscilam muito e para não sermos pegos de surpresa e deixar de honrar algum compromisso é importante e necessário que tenhamos alguma reserva”, ensina. Acompanhe a entrevista.

Por Márcio Alexandre

PORTAL DO RN – A festa de emancipação política da cidade consta de uma extensa programação, inclusive com inauguração de obras. Como fazer isso num cenário de crise, em que os prefeitos reclamam tanto de falta de recursos?

LUIZ JAIRO – Com muito esforço, trabalhando basicamente quatro pontos: o planejamento, para que a gente tenha cada coisa no seu tempo e no momento adequado para se fazer; otimizando recursos, sempre vendo o que é possível melhorar na nossa área de tributação, na nossa busca de recursos, sempre vendo como melhorar a nossa arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), dando fluidez aos projetos e convênios em andamento, enfim, fazendo todas as formas para que os recursos caiam logo mas contas do município; então otimizando receitas, esse é o segundo eixo; priorizando investimentos; a gente é importante vê o que é mais imediato, o que é mais essencial, o que é que é mais necessário fazer naquele momento, e fazendo reservas financeiras. Todo prefeito deve fazer sua reserva, aquele que não fizer sua reserva, do tamanho que puder ser, ele vai ser pego de surpresa, vai faltar alguma contrapartida, vai faltar alguma condição de se resolver algum problema na área da Saúde ou em qualquer área da administração; Então sempre deve se ter o cuidado de fazer a reserva porque as oscilações de receita são muito constantes e são tão variáveis de forma negativa que pode acontecer, com certeza sempre acontece, de você não poder pagar determinadas pessoas, determinados fornecedores, e até outra determinada despesa do município. Você sempre tendo essa reserva você vai administrando sem problemas sem qualquer descontrole qualquer descontinuidade nesses pagamentos.

PRN – O senhor está no terceiro ano do segundo mandato. Quais ações o senhor destacaria como mais importantes nessas suas gestões?

LJ – Tudo é possível a partir dos quatro pontos básicos que falei. O planejamento é importante, a otimização de receitas também, a priorização de investimentos e a reserva financeira. Esses são questões básicas para você manter equilibradas as finanças municipais e consequentemente você chegar nas horas de necessidade e atender e se sobressair.

PRN – O envio de pacientes para hospitais regionais tem sido uma prática comum em cidades do interior. Positivamente, Upanema não figura entre as cidades que fazem uso recorrente desse expediente. Como a rede básica de saúde está estruturada para dar conta de suas demandas?

LJ – A atenção básica bem feita é quem evita ou reduz o número de encaminhamentos de pacientes aos hospitais. E aqui nós temos uma rede básica bem ampla. E nós criamos duas estruturas de saúde da família. Nós já tínhamos 5 equipes e amentamos para 7, e isso deu uma condição melhor de atendimento à população na atenção básica. Além de criarmos as equipes, nós estruturamos as unidades. Nós construímos mais 4 UBS (três novas e concluímos uma quarta cujas obras tinham sido deixadas paradas pela gestão anterior) e ampliamos mais duas. Enfim demos uma condição de estrutura física adequada, também de pessoal, com as equipes todas compostas de médicos, enfermeiros, dentistas, e também a gente tem um trabalho bom na área da fisioterapia; nós temos a equipe NASF, na atenção básica com um trabalho de fisioterapia, temos fonoaudiologia, odontologia, psicologia, enfim temos toda uma condição de atendimento na atenção básica que evita, reduz muito a condição de encaminhamento aos hospitais.

PRN – Que atendimentos e procedimentos médicos são realizados em Upanema, pelas equipes médicas locais?

LJ – Olha, a nossa unidade mista de saúde tem uma estrutura mínima adequada para atender aqui, para internar aqui. Para se ter uma ideia a equipe de Upanema entuba, a equipe de Upanema interna. Nessa unidade tem desfibrilador, tem equipamentos que fazem com que a unidade mista se assemelhe a semi-UTI´s que dão uma condição de urgência mínima que muitas vezes dispensa o encaminhamento ao hospital regional de urgência. Então tem toda uma estrutura básica mínima funcionando para reduzir esses encaminhamentos. Temos também os laboratórios acoplados a essa unidade mista que também facilitam em mito os diagnósticos e reduz o encaminhamento aos hospitais de urgência e referência.

PRN – Como tem sido a relação do Governo do Estado com o município e o que essa relação tem trazido de benefícios?

LJ – Ainda é muito incipiente essa relação administrativa Estado e município. Estivemos num primeiro momento numa audiência com a governadora, sentimos a dificuldade financeira do Estado, compreendemos e deixamos que a governadora tomasse o fôlego para que a gente voltasse a discutir as dificuldades mais urgentes de Upanema.

PRN – E que problemas emergenciais são esses?

LJ – A gente espera que problemas emergenciais de abastecimento d´água de Palheiro III, que é a CAERN quem faz e não tem água, é a maior comunidade do município de Upanema, com 600 pessoas morando ali e a gente espera que a gente possa dar solução a esse problema de abastecimento d´água. A gente precisa também tratar de  outras questões na área da Saúde e também de estradas. A RN-405 precisa de melhorias, notadamente, no tapa-buraco da rodovia e também o desbravamento de suas margens porque o mato está tomando de conta, invadindo o asfalto e fechando a rodovia, suas margens. Muitas outras ações a gente precisa discutir com o governo, pedir investimento, que olhe para o município de Upanema, mas estamos aguardando o momento, vamos marcar outra audiência para fazermos esses encaminhamentos porque entendemos que alguma coisa já pode ser feita para que a gente possa considerar que essa relação administrativa esteja a contento, mas acreditamos que a governadora vai sim ouvir, atender às reivindicações do nosso município, só estou aguardando esse momento para que a gente possa apresentar isso e cobrar melhor.

PRN – Nos fale sobre essa programação dos 66 anos de emancipação política de Upanema.

LJ – Além da inauguração de obras, da realização de atividades esportivas, neste ano, a programação conta novamente com grandes atrações nacionais e, em especial,
valoriza os artistas locais. No dia 14 (hoje), os talentos da terra terão uma noite só pra eles. Kari Medeiros, Marcelo Freitas, Idivan Araújo, Charles Fellype, Renatinho de Upanema e A Liga dos Paredões estarão na Praça de Eventos. No domingo, teremos Mastruz com Leite, Vicente Nery e Bruno Martins, também na Praça de Eventos. Na área esportiva temos o Intercolegial, com a participação de centenas de estudantes. Na área cultural, o “Tributo a Upanema”, é um espetáculo que vem encantando os filhos da terra e visitantes e neste ano terá direção local pela primeira vez em sete anos, sob o comando do coreógrafo Railson Honorato. Também estamos fazendo a entrega de obras nas zonas urbana e rural de Upanema, como por exemplo o Complexo
Cultural, cuja inauguração será neste domingo.

PRN – O senhor não poderá ser candidato à reeleição. Já tem ideia do que pretende fazer após o encerramento do seu mandato?

LJ – Como todos sabem, eu sou servidor do quadro da Emater (Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural) do Rio Grande do Norte. Sou engenheiro agrônomo, servidor da Emater/RN. A princípio, pretendo voltar minhas atividades de trabalho mas estarei à disposição. Primeiro da minha empresa para qualquer outra atividade na área de gestão pública para desenvolver qualquer trabalho utilizando a experiência que adquiri ao longo desses anos à frente da prefeiura de Upanema.

PRN – E politicamente?

LJ – No plano político não tenho projeto pessoal, mas, estarei à disposição do meu partido, o PL, para ajudar e participar de qualquer desafio de interesse do partido.

 

Notícias semelhantes