A expectativa de uma ameaça

É grande a expectativa dos professores de Mossoró que estiveram em greve entre 8 de março e 17 de abril. Logo nas primeiras horas desta terça-feira (30/4), eles buscarão de todas as formas se certificar se a prefeita terá cumprido a ameaça de cortar o ponto dos grevistas e fazer o desconto dos dias parados nos salários dos docentes. A ansiedade tem tomado de conta da categoria.

A julgar pelo que tem ocorrido na maioria dos meses, dificilmente essa resposta será conhecida até o fim da primeira parte do dia, porque os salários tem entrado nas contas quase sempre à tarde. Além disso, os servidores não tem acesso aos seus contracheques do mês em curso. Esse documento, quando se consegue, só chega ao conhecimento do servidor da prefeitura de Mossoró 15 dias após o desembolso da folha.

Caso se cumpra a ameaça, Rosalba Ciarlini poderá entrar para a história como a mais cruel das prefeitas que a cidade já teve. Cortar ponto de greve legal abre um precedente perigoso. E deixa grande parte das famílias desses trabalhadores sem ter com que garantir o sustento do mês. Foram 29 dias letivos. Um mês de salário. A forma de pagamento proposta por Rosalba é também muito desumana. A cada dia reposto, esse dia será pago. A conta gotas. Sabe-se lá se no valor a ser pago será respeitado o descanso semanal remunerado. É aguardar para ver.

Mediação
A Justiça marcou para o próximo dia (8/5), audiência de conciliação sobre a questão do corte de ponto dos professores da rede municipal de ensino que fizeram greve. Se Rosalba não cortar o ponto e nem descontar os salários, a audiência não terá mais sentido. Se a prefeita cumprir a ameaça, o encontro servirá para que se convença a chefe do Executivo a restabelecer as regularidade do salário e aguardar que os professores vão repondo as aulas, como sempre acontece.

Revolta
Entre os professores, o clima é de revolta com essa ameaça. A maioria diz que se houver o desconto ficam desobrigados a repor as aulas. Caso eles não reponham não haverá como o ano letivo de suas turmas ser fechado porque a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – Lei 9394/96) estabelece uma jornada mínima anual de 200 dias letivos, com 800 horas de atividades em sala de aula. Rosalba, portanto, ao cortar o ponto, terá dois problemas em suas mãos: o desgaste político e a busca por professores para fazer a reposição daqueles que se recusarem.

Reforma da Previdência
A Câmara Municipal de Severiano Melo promove no próximo dia 1 de maio audiência pública sobre a Reforma da Previdência. Será a partir das 8h30.

Mais pobres
O jornal Valor Econômico confirma em matéria de hoje aquilo que temos dito: os mais pobres serão os mais prejudicados pela Reforma da Previdência.

Péssimas notícias
O desemprego continua batendo recordes e a economia com desempenho cada vez mais pífio.

Salário dos servidores
O Governo do Estado anuncia nesta terça-feira, (30/4), em reunião com o fórum dos servidores, o calendário de pagamento de salários do mês de maio. A expectativa é que o desembolso siga o mesmo cronograma dos meses anteriores.

Voto de Beto Rosado
Tem sido visto como carta de seguro o voto do Beto Rosado a favor da Reforma da Previdência. O governo sabe que Fernando Mineiro (de quem Beto ficou com a vaga) é contrário à Reforma da Previdência. Com o voto de Beto a favor, o Planalto teria interesse em que ele continue deputado. Hoje, o processo em que Beto e Mineiro pleiteiam o mandato seria julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas não foi. A expectativa é que amanhã isso ocorra.

Notícias semelhantes