Parece falta de interpretação, mas é só maldade

Por toda a falta de atributos morais, cognitivos e políticos de Bolsonaro, uma parte considerável de seus críticos sempre classificou seus apoiadores como desprovidos de capacidade intelectiva. Para os oposicionistas do presidente, muitos dos seguidores dele não teria inteligência sequer para interpretar um texto, daí a facilidade com que concordam com tudo o que Bolsonaro diz ou faz .

Há um certo preconceito nessa visão. Ademais, não conseguir interpretar um texto é muito pouco perto do que realmente pensam os seguidores de Bolsonaro. A principal motivação dessas pessoas é real, assusta e dificilmente os fará mudar de opinião.

Analisar a hipocrisia que recheia as justificativas apresentadas pelos eleitores do presidente dá uma pista de que o quanto muitas dessas pessoas votaram num misógino, preconceituoso, desprovido de caráter, falastrão e mal-educado por se ver verdadeiramente representado nele.

Uma grande parte do eleitorado de Bolsonaro diz que votou nele pela família.

Desses, votaram pela família alguns pais de família cheios de amantes. Votaram pela família muitos que expulsaram o filho de casa por ser homossexual.

Votou pela família o pai de família que está se encaminhando para a segunda ou terceira tentativa fracassada de casamento por causa do seu machismo e pela falta de atenção aos familiares.

Votou pela família alguns ditos letrados na busca de expiar os pecados por ter um filho que não pode se assumir pelo preconceito exalado por cada palavra dita pelo pai e pela mãe.

Votou pela família o cidadão que abandonou o filho por ele ter problemas com drogas e assaltos. Expurgou o rebento porque o presidente afirmou, do alto de sua tolice teórica e de sua hipocrisia prática que bandido bom é bandido morto.

Votou pela família aquele sujeito de bem que está desbotando a Bíblia debaixo das axilas doido por uma oportunidade para virar o líder do rebanho. Seja ele qual for, independente do que tenha que fazer para chegar a isso.

Votou pela família o indivíduo que não assume uma responsabilidade sequer pela mulher e filhos sugando dinheiro, paciência e a saúde mental de alguns parentes da esposa.

Votou pela família aquele alienado pelo discurso de medo proferido pelo líder religioso, afinal de contas, o mito é enviado de Deus. Aliás, o que ele diz naquela reunião, defendem os bolsonaristas, não são palavras, são oração em línguas.

Se numa reunião, o presidente desrespeita cidadãos em seu íntimo chamando-os por palavrões irrepetíveis, se esse mesmo presidente aceita que seus ministros incitem a violência contra indivíduos e instituições, e nesse mesmo encontro o principal auxiliar do chefe do Executivo adjetiva o Banco do Brasil com um termo chulo também indigno de repetição, e ainda o ministro da Educação menospreza todo tipo de gente que não seja a escória da qual ele se apresenta como exemplo, e mesmo assim os ditos cristãos entopem as redes sociais dizendo que “estão fechados com Bolsonaro”, nunca foi falta de interpretação.

Apoiar um governo que quer acabar com o meio ambiente, exterminar minorias, usar dinheiro público para investir em grandes empresas e lucrar com isso; que quer diminuir o tamanho do Estado; que usa uma crise sanitária como projeto, não se trata de falta de interpretação. Sempre foi maldade.

A mesma maldade que faz bolsonaristas chamar os opositores do presidente de “esquerda de gourmet” só porque alguns comem um prato de comida com alimentos de três cores diferentes e tomam uma cerveja que dá menos azia. Nada mais claro para provar o quanto essa gente é invejosa, maldosa e ressentida.

E se tudo isso for pecado, como seus líderes religiosos lhes ameaçam diariamente, esqueçam o céu, porque, com esses sentimentos, “pra te arrasar, só o inferno te aceita”.


SEM SOLUÇÃO

No final da tarde do último sábado, uma festinha particular reunia pelo menos 20 pessoas numa casa na avenida Presidente Dutra, em Mossoró (próximo à sede do SINDIPREVS). Por descumprir as regras de urbanidade e o decreto de isolamento social, um cidadão fez a denúncia à Polícia Militar. O evento só terminou quando os organizadores bem quiseram.

NOVO FARDAMENTO

Aliás, chamou a atenção ao cidadão que fez a denúncia acima que ao chegar na unidade da polícia para comunicar o fato, o policial que o atendeu estava usando uma camisa com os dizeres: Bolsonaro Presidente.

FISCALIZAÇÃO NO COMÉRCIO

O comércio de Mossoró sofreu fiscalização nesta segunda-feira. Algumas lojas que estavam abertas indevidamente foram fechadas. À tarde, o movimento no Centro comercial da cidade foi bem menor do que o que vinha sendo registrado.

ESTATÍSTICA INTERESSANTE

Das pessoas que testaram positivo para a Covid-19 nos últimos dias e que a coluna teve conhecimento, pelo menos 70% são de apoiadores do presidente. Castigo? De jeito nenhum, apenas falta de cuidados básicos. Além do mais, ódio não protege.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...