Minha Opinião

Fest Bossa & Jazz e Auto da Liberdade

Veja o artigo de estreia do professor-doutor Lemuel Rodrigues, do Departamento de Hisória, no Portal do RN

Por Lemuel Rodrigues*

Me senti órfão de boa música neste mês de setembro com o cancelamento do Fest Bossa & Jazz, um evento que já estava marcado em meu calendário anual de festividades. Como não sou adepto aos shows do Cidade Junina na Estação das Artes por questões de segurança e não de gosto musical, ficava esperando a divulgação do calendário e as atrações do festival.
Rever amigo(a)s, bater um bom papo, curtir uma boa música, andar com liberdade, me deparar com famílias com crianças de colo passeando no espaço da Estação eram motivos para prestigiar o evento. Tinha “quase” certeza que o festival estava consolidado no calendário de eventos culturais da Prefeitura Municipal de Mossoró com a garantia de sua participação através de apoio como nos anos anteriores.
Me surpreendi lendo nos meios de comunicação a Nota de Cancelamento do festival. Segundo a nota, o motivo se deu “em virtude da não resposta da Prefeitura de Mossoró em relação às solicitações sobre o apoio da realização do mesmo”. Em resposta à nota da coordenação do evento, a PMM também lançou nota afirmando ter ficado “surpresa” e afirma que a versão do Fest “não condiz com verdade”. Entre a guerra de notas, ficamos nós, apreciadores da boa música, artistas, turistas, rede hoteleira, bares, restaurantes e similares.
Me parece proposital a postura da Prefeitura em não apoiar ao festival, deixando a livre interpretação de que a prioridade seria resgatar o Espetáculo Auto da Liberdade. Nada contra o Auto da Liberdade, mas tudo em favor do Fest Bossa & Jazz. Imagine um setembro amarelo, pintado com cores diversas de cultura e história em nossa cidade, misturando a Bossa e o Jazz com a Libertação dos Escravos, Resistência ao Bando de Lampião, Primeiro Voto Feminino e Motim das Mulheres?
Setembro passaria a ser no calendário de Mossoró, assim como junho com o Mossoró Cidade Junina e o Pingo da Mei Dia, uma referência nacional de grandes eventos, contribuindo como sempre argumenta nossos gestores, para o aumento da arrecadação e geração de emprego e renda. Dinheiro arrecadado para se ampliar os investimentos em educação, saúde, infraestrutura, saneamento básico, dentre outras ações.
Se a atitude da Prefeitura de Mossoró foi priorizar o Auto da Liberdade em detrimento ao Fest Bossa & Jazz, considero um equívoco. Um evento não elimina o outro e ambos trariam benefícios para Mossoró. Um estudo realizado por Nara Cristina Felipe do Curso de Turismo da UERN, Campus de Natal, sobre o Fest Bossa & e Jazz edição 2017 em Mossoró demonstra a perspectiva de crescimento do evento para os anos vindouros e o aumento gradativo do público mesmo sem a devida divulgação nas cidades e Estados vizinhos. O público de duas mil pessoas em sua primeira edição em Mossoró no ano de 2016 cresceu para aproximadamente seis mil em 2018, o que demonstra uma boa evolução para um espetáculo ainda sem consolidação.
Assim sendo, torço para que em 2020 não nos deparemos com uma guerra de notas e que as partes envolvidas possam nos proporcionar um setembro amarelo com cores vivas, sem a predominância do pink.
* Professor do Departamento de História (DHI/FAFIC/UERN)