Consumo de ovos e seus efeitos à saúde

Devido à presença de alto teor de colesterol, os ovos foram, durante muito tempo, considerados como “vilões”. Contudo, diversas pesquisas recentes têm evidenciado a associação entre o seu consumo e a melhora dos parâmetros lipídicos em doenças cardiovasculares e neurológicas, como o Alzheimer.

O colesterol presente nos ovos participa da síntese de hormônios lipossolúveis, que requerem o colesterol como matéria-prima para sua formação, o que explica, em parte, o motivo pelo qual a ingestão de ovos não eleva os níveis de colesterol no sangue, pois grande parte é consumida no processo de produção hormonal.

Em relação à saúde cerebral, um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition mostrou que em adultos de meia idade acompanhados por 22 anos a ingestão de ovos não esteve associada com o risco aumentado de demência ou doença de Alzheimer. Pelo contrário, o consumo desse alimento foi correlacionado com melhor desempenho em testes neuropsicológicos. Interessantemente, a cada aumento de 0,5g de ovos consumidos por dia, observou-se uma melhora significante no desempenho dos testes neuropsicológicos aplicados em pacientes.


Ovos e suas características nutricionais

O ovo é uma excelente fonte de importantes nutrientes: proteína de alto valor biológico (fornecendo todos os aminoácidos essenciais), vitaminas (riboflavina, vitamina E, vitamina B6, vitamina A, ácido fólico, colina, vitamina K, vitamina D e vitamina B12), minerais (zinco, cálcio, selênio, fósforo), ômega- 3 e compostos ativos (luteína e zeaxantina).

Os ovos são uma boa fonte de luteína e zeaxantina, carotenoides que protegem contra a oxidação de lipoproteínas e estão envolvidos na acuidade visual, sendo essencial na preservação da mácula ocular. Além disso, podem reduzir os riscos de doenças oftalmológicas, como degeneração macular e catarata. Os ovos também são fontes de vitaminas E e D, compostos com ação antioxidante e anti-inflamatória que também vão auxiliar na proteção da visão.

Portanto, fica evidente que essa rica composição nutricional sobressai o seu teor de colesterol e atribui aos ovos os seus efeitos benéficos à saúde. Desta forma, considerando-se os efeitos do ovo nos níveis de colesterol plasmático e suas características nutricionais, ainda não há justificativas científicas para se limitar o consumo de ovo pensando na elevação do colesterol. A contraindicação do ovo se dá em casos de intolerância ou alergia individual.

Entretanto, para se obter seus efeitos benéficos, é importante se considerar a técnica dietética aplicada durante seu processamento.

Dentre as 3 formas de preparo, os ovos mexidos (com ruptura das gemas) apresentaram menores teores de luteína e zeaxantina em relação ao ovo cozido ou frito (com as gemas intactas), sendo que os cozidos foram superiores aos fritos em relação aos níveis de ambos os compostos, com o adicional de não conterem gorduras trans, como elucidado anteriormente. Os mecanismos para a perda de luteína e zeaxantina com a ruptura da gema ainda não foram esclarecidos, mas a hipótese é de que alterações químicas e estruturais de proteínas e lipoproteínas na gema de ovo durante o cozimento em diferentes condições possa influenciar na perda dos compostos bioativos para o meio em que o ovo foi preparado, considerando então que a melhor forma de preparo e que mais iremos obter todos os benefícios do consumo do ovo na sua totalidade será na forma cozido.

Espero ter esclarecido alguns pontos importantes sobre a ingestão do ovo e a melhor forma de consumi-lo. Até a próxima semana.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support