Em Natal

163 pássaros silvestres são resgatados em duas feiras livres da Zona Norte

Foram identificadas 18 espécies diferentes de aves silvestres. Muitos estavam confinados em pequenas caixas com até 8 pássaros.

A Guarda Municipal do Natal (GMN), contabilizou o resgate de 163 aves silvestres no último final de semana. As aves estavam sendo comercializadas ilegalmente nas feiras livres dos conjuntos Santa Catarina e Nova Natal na zona Norte da capital. As operações resultaram ainda na apreensão de uma espingarda e dois suspeitos de tráfico de animais silvestres foram detidos e vão responder por crime ambiental.

Foram identificadas 18 espécies diferentes de aves silvestres. Muitos estavam confinados em pequenas caixas com até 8 pássaros, sem água e com ventilação comprometida caracterizando o crime de maus-tratos. Alguns com parte da penagem caída e em estado debilitado de saúde.

Os agentes planejaram as abordagens de maneira a evitar que os pássaros fossem retirados da feira antes da chegada das guarnições, o que é comum, já que os traficantes utilizam de observadores para informar a chegada do policiamento.

O tráfico de animais silvestre é a terceira atividade de comércio ilegal que mais movimenta dinheiro no mundo, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e de armas. Segundo a ONG Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres, cerca de 38 milhões de animais são retirados anualmente do seu habitat, somente no Brasil. São 12 milhões de espécies distintas e estima-se que 90% desses animais cheguem a óbito logo após retirados da natureza.

A coordenadora do Grupamento de Ação Ambiental da GMN, Francineide Maria, lembrou da importância das pessoas denunciarem esse tipo de crime que afeta diretamente a fauna e a flora do país e contribui para o desequilíbrio ecológico. “Pedimos que o cidadão contribua denunciando para que possamos combater mais fortemente essa prática danosa a natureza e cruel com os animais”, pediu.

O cidadão pode denunciar esse tipo de crime nos números 190 (Centro Integrado de Operações em Segurança Pública – Ciosp), 181 (Disk Denúncia) ou 3616-9829 (Ouvidoria da Semurb).

 

Notícias semelhantes