Penúria

Terceirizados da Uern enfrentam atrasos de salários mais uma vez

Funcionários de serviço de apoio estão há mais de dois meses sem salários e há 5 meses sem vale-alimentação.



É de penúria, mais uma vez, a situação dos funcionários da empresa Prime que prestam serviços à Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Esses trabalhadores já estão sem salários há mais de dois meses. Para piorar a situação, no próximo dia (15/4), completarão 5 meses de atraso nos repasses do vale-alimentação.

O clima é de desânimo e tristeza entre os trabalhadores, principalmente porque a direção da empresa não apresenta nenhuma perspectiva de quando a situação será normalizada e, especialmente porque trata-se de um problema recorrente. “Temos colegas tendo dificuldades para se alimentar, dependendo de familiares. Até para se deslocar ao trabalho tem sido um sacrifício”, revela um trabalhador, mantém a identidade no anonimato temendo represálias.

A crise entre o pessoal de apoio tem crescido a cada dia. A empresa que presta segurança à UERN paralisou os serviços no Campus de Pau dos Ferros e ameaça retirar os profissionais do Campus Central em Mossoró.

A reportagem do Portal do RN entrou em contato com a diretora da Agência de Comunicação (AGECOM/UERN), jornalista Iuska Freire. Ela informou que “A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) esclarece que não possui atraso de repasse superior a 90 dias à empresa Prime”.
Ressaltou que “o pagamento dos salários aos trabalhadores terceirizados é obrigação da empresa contratada, como previsto em contrato, não estando vinculado legalmente ao pagamento de faturas por parte da UERN”.

E garantiu que “a empresa vem sendo notificada em razão dos atrasos salariais aos servidores terceirizados que prestam serviços à Instituição. Caso essa situação persista, a empresa pode sofrer aplicação das sanções legais previstas em contrato”.

 

Notícias semelhantes