CRÔNICA

SINDICATO DOS SALINEIROS

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Extração do Sal do RN. Extenso nome do que ficou conhecido simplesmente por sindicato dos salineiros. Havia uma discussão se salineiro era o dono ou trabalhador de salinas. O “Aurélio” diz que é quem fabrica ou vende o sal. Portanto, pega todo mundo. Foi provavelmente a segunda instituição sindical da cidade de Mossoró, depois do Sindicato da Construção Civil. Embora existindo como associação desde antes de 1935, seu reconhecimento pelo Ministério do Trabalho deu-se em 1946.

Proporcionalmente o número de associados representava significativa parcela dos trabalhadores do RN, considerando Mossoró, Macau, Areia Branca e Grossos, área não por acaso chamada de região salineira, além de moradores de Açu e de todo o vale. Por isso, suas lideranças tornaram-se interlocutoras de políticos e de governos, municipais e estaduais, mesmo sem exercer cargos fora do âmbito sindical. Destacam-se nesse item as figuras de Joel Martins do Nascimento (Joel Paulista) e Antonio de Lima Souza (Antonio Tenório). Outros tiveram atuação mais adstritas à própria classe de trabalhadores, como Alfredo Avelino, Raimundo Xaxá, Pedro Maciel, Francisco Henrique, Antonio Fernandes (Antonio Encarnado), os dois últimos de Areia Branca, e Antonio Hemetério, de Grossos.

Joel Paulista foi o nome mais notório quanto à atuação política mais ampla, pela militância no Partido Comunista do Brasil, então na ilegalidade. Preso em 1935, com Jonas Reginaldo e outros. Preso novamente em 1964, quando já afastado da atuação sindical. Manteve por toda vida suas convicções políticas nos moldes e conceitos vigentes à época.

O Sindicato dos Salineiros mantinha em sua sede, na Rua Prudente de Morais, uma escola de ensino fundamental para os filhos de associados e de outras famílias naquela área de transição entre o centro da cidade e os bairros Paredões, Bom Jardim e Barrocas. A professora Luiza Benedita iniciou nas letras várias gerações, com sua voz firme e gosto de ensinar.

O órgão classista tinha expressiva participação no carnaval de rua. Seu bloco, o Salinistas, movimentava o período pré-carnavalesco com os ensaios, desfilava nas tardes de carnaval com suas cores, vermelha, azul e branca, e promovia os bailes na sede, uma extensa programação festiva no período.

O Salinistas foi também clube de futebol com histórias de campeonatos conquistados no antigo Estádio da Benjamin Constant ou campo da Liga, época de Alderi, Mimi, Ibiapino, Arranha, Nopa e outros.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...