Carteira assinada

RN acumula saldo de mais de 4 mil empregos formais em 2021

Estado mantém crescimento pelo sétimo mês seguido de saldo positivo de emprego celetista com carteira assinada

O Rio Grande do Norte acumula dois meses consecutivos de alta na geração de empregos formais, apesar dos efeitos da pandemia na economia. Janeiro e Fevereiro já somam 4.093 novos postos de trabalho com carteira assinada. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, divulgados nesta terça-feira (30).

Após 2.194 empregos gerados no mês de janeiro, fevereiro manteve o crescimento de admissões. Foram 1.899 empregos gerados. O setor de serviços puxou a alta com 2.519 novos postos, seguido do comércio com 969 e construção civil (566). A indústria (-230) e, sobretudo o segmento agropecuário (-1925) sofreram a maior escala de demissões.

Em 2020, com o recrudescimento da pandemia e a perda brutal de 15.720 empregos formais, apenas entre março e maio, o Estado potiguar ainda registrou saldo positivo de 1.769 novas vagas, fruto da reabertura econômica do segundo semestre. Novembro de 2020, por exemplo, registrou a maior alta dos últimos 24 anos, com 4.796 novas empregos.

Desde o mês de agosto, após o período mais nefasto da pandemia na economia, o Rio Grande do Norte registra seguidas altas na geração de empregos. Nos últimos 12 meses, entre março de 2020 e fevereiro de 2021, o Rio Grande do Norte já soma saldo positivo de 4.146 novas carteiras assinadas. Para efeito de comparação, entre 2015 e 2018, período da última gestão, foram perdidos mais de 18 mil postos formais de trabalho.

“São números que comprovam o acerto nas medidas de incentivo econômico e fiscal adotadas pelo Governo. Nosso Estado detém o quarto melhor índice na geração de empregos neste ano, entre os Estados do Nordeste. E acredito em melhoras significativas para os próximos meses com o avanço da vacinação e o aumento gradativo da produção e do consumo”, projetou o secretário estadual de Planejamento, Aldemir Freire.

O secretário enfatizou ainda que a sequência de altas na geração de empregos e de arrecadação tributária apontam para a retomada dos investimentos no Estado iniciada em 2019 e freada pela pandemia. “Vencemos um período de crise sem precedentes para a saúde e a economia em nosso Estado no ano de 2020. Em 2021 temos um ano ainda difícil com o segundo surto, mas muito mais promissor para retomarmos nosso desenvolvimento”, concluiu Aldemir Freire.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support