Indústria salineira

Resolução do governo federal poderá causar desemprego em massa no RN

Alerta é feito pela deputada estadual Isolda Dantas (PT), que critica a decisão do presidente Bolsonaro

A Resolução 047 do Governo Federal que permite as importações brasileiras de sal grosso, originárias da República do Chile pode ter forte impacto negativo na indústria salineira do Rio Grande do Norte. O alerta está sendo pela deputada estadual Isolda Dantas (PT) que nesta quarta-feira, 17/7, usou a tribuna do Plenário da Assembleia Legislativa potiguar para falar sobre esse problema.

Segundo a parlamentar, o ato poderá acabar com a indústria salineira do Rio Grande do Norte, uma vez que o sal do Chile entra no país com a isenção de impostos e por um preço bem abaixo do comercializado no país. O resultado disso será a ocorrência de demissões em massa no setor.

Ainda de acordo com Isolada Dantas, recentemente o Governo Federal assinou um decreto que reconhece o sal como “um bem de interesse social”, mas que agora dá um passo contrário. “O governo Bolsonaro deu com a mão e tirou de forma rasteira. Não é possível que ele faça isso com a indústria salineira do Rio Grande do Norte, que hoje gera mais de 20 mil empregos diretos e mais de 50 mil indiretos. É um golpe muito duro. Vai gerar desemprego em massa”, denunciou a parlamentar.

Isolda convocou a classe política, bancada federal, a se unir em torno do tema e buscar uma solução definitiva para o fortalecimento do setor salineiro, tão vital para a economia do Estado. “Não podemos permitir que mais um patrimônio nosso, uma riqueza nacional, seja desmontada por medidas que permitem que produtos internacionais entrem em nosso mercado já fragilizando. É preciso união”, convocou.

De acordo com o Sindicato das Indústrias da Extração de sal, o Rio Grande do Norte concentra 95% da produção de sal do país. A sua área de atuação é composta por 35 salinas situadas no semiárido brasileiro, nos municípios de Mossoró, Grossos, Areia Branca, Macau, Porto do Mangue, Guamaré e Galinhos, denominada região da Costa Branca.

A produção anual brasileira é de aproximadamente 7,5 milhões de toneladas, correspondente a 6 milhões de toneladas de sal marinho e 1,5 milhão de sal gema – sendo o sal gema utilizado integralmente de forma cativa, como insumo em determinadas indústrias químicas detentoras de sua exploração. Logo, o sal marinho do Estado do Rio Grande do Norte representa a quase totalidade do sal brasileiro que é negociado para os diferentes segmentos de mercado, seja no Brasil ou no exterior.

Notícias semelhantes