Em Natal

Polícia apreende arsenal que seria usado em ataque a presídio

Investigação da Polícia Civil descobriu que todo o armamento seria usado para soltar presos de Alcaçuz

Uma investigação da Polícia Civil conseguiu identificar que todo o armamento apreendido no fim de semana seria utilizado em um ataque ao Presídio de Alcaçuz, localizado em Nízia Floresta. Na ação, a PC conseguiu apreender três fuzis, coletes a prova de bala, grande quantidade de munições e 20 quilos de explosivos.

A investigação conseguiu identificar que o ataque seria exatamente na Penitenciária Estadual Rogério Continho Madruga, mais conhecida como Pavilhão 5 de Alcaçuz. Segundo a Polícia Civil, o objetivo era soltar pouco mais de 20 presos ligados a uma facção criminosa identificada como “Novo Cangaço”

De acordo com o delegado Erick Gomes, da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), o grupo que seria solto no ataque, é especializado em ataques a bancos e carros-fortes. “A gente tinha conhecimento desse plano desde janeiro. Essa é a terceira vez que eles tentam organizar algo do tipo, porque ao longo dos últimos quatro ou cinco anos prendemos a maioria dos criminosos especializados nesses crimes e outros foram mortos em confronto”, detalhou.

O arsenal foi encontrado após a prisão de um suspeito de assalto a bancos, carros-fortes e tráfico de drogas em Alexandria, na região Oeste potiguar, no sábado, 17. Segundo a Polícia Civil, o homem levou as equipes até o local em que o material estava enterrado, na beira de um rio.

Porém, de acordo com o delegado, a Polícia Civil ainda procura pelo menos mais dois esconderijos com arsenal parecido. O delegado Erick explicou que normalmente as quadrilhas distribuem o material em pelo menos três locais separados. Por isso, ele acredita que ainda exista um vasto arsenal em poder dos criminosos.

Ainda segundo a polícia, as quadrilhas especializadas em roubo a banco também fazem parte das facções criminosas que operam o tráfico de drogas. “Com o dinheiro roubado nos ataques a bancos, eles compram mais drogas e duplicam esse dinheiro”, afirmou o delegado.

O homem preso em Alexandria, exemplificou, já havia sido preso pela Polícia Federal por tráfico internacional de drogas, e responde a pelo menos 10 processos judiciais. Segundo a polícia, como ele é um dos mais antigos em atividade, acabou assumindo a liderança do grupo no estado.

Um dos crimes com participação dele seria um ataque a banco ocorrido em outubro do ano passado no município de São Paulo do Potengi. Na operação de sábado, 17, outro suspeito foi preso em João Pessoa, dentro da mesma operação.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...