PACTO PELA VIDA

O papel da ciência no combate a COVID19

#MarchaVirtualpelaCiência #paCTopelavida acontece amanhã, dia 7, pelo desenvolvimento econômico, social e pela saúde da população, defender a ciência é defender a sociedade e o bem-estar global.

POR:  Jean Berg Alves da Silva e Rafael Lamera Giesta Cabral


“De onde veio esse vírus?”, “Quando vão inventar uma vacina pra essa doença?”, “Por que ainda não acharam um remédio pra matar esse vírus”, “Essa história de isolamento social funciona mesmo?”. Estas e outras perguntas são cada vez mais comuns no nosso cotidiano, e só a Ciência pode nos dar estas respostas.

Pensando na importância da ciência para o combate a esta pandemia e a outras situações que afligem a nossa população, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) lançou uma campanha nacional de valorização da ciência. “Convidamos toda a sociedade a se unir em torno de um Pacto pela Vida e pelo Brasil”, conclama o presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira. A campanha tem como mote principal a hashtag: #paCTopelaVida.  A Marcha Virtual pela Ciência será um espaço para a população discutir com cientistas, médicos e especialistas sobre a pandemia de coronavírus e como a ciência e a tecnologia podem ajudar na superação dessa grave crise sanitária e econômica que passamos.

Com atividades transmitidas pelas redes sociais ao longo do dia, a manifestação terá dois painéis nacionais, um pela manhã, às 10h30min, que discutirá a pandemia de coronavírus e as medidas a serem adotadas para seu enfrentamento. E outro, às 15h, que debaterá os desafios para a ciência, tecnologia e inovação no Brasil dentro do contexto atual. Universidades e instituições e sociedades científicas de todo o País irão realizar outras atividades em horários e canais diferentes também. A programação completa está disponível no link #MarchaVirtualpelaCiência (http://portal.sbpcnet.org.br/marcha-virtual-pela-ciencia/programacao/).

Ao longo da história, a ciência tem sido a grande aliada da humanidade, sobretudo por nos apontar caminhos, entendimentos e reflexões sobre situações que não poderiam ser explicadas sem uma sistematização da experimentação, da técnica, da teoria e da prática. Na história, os grandes feitos da humanidade foram articulados por mulheres e homens que se dedicaram integralmente para desvendar os mistérios da medicina, física, química, matemática, ciências humanas e sociais aplicadas e tantas outras áreas do conhecimento.

Aqui, registramos um destaque: as ciências humanas e sociais aplicadas assumem um papel relevantíssimo e não pode ser ignorado nesse momento, pois os traumas do isolamento social e novos comportamentos na sociedade serão avaliados por cientistas sociais; as novas regras jurídicas em tempo de emergência de saúde serão refletidas pelos profissionais do Direito; as crises políticas na pandemia, pelos cientistas políticos; a problematização do tempo presente e de experiências do passado, pelos historiadores; as reações e novas modalidades organizacionais e seus desdobramentos, pelos administradores, contadores e economistas. Enfim, ação integrada de cientistas de todos as áreas do conhecimento contribuem para organização do conhecimento que nos auxiliará a construir um futuro melhor para nossos filhos e futuras gerações.

A defesa pela Ciência e Tecnologia deve ser ampla, geral e irrestrita. Para o combate dos efeitos geracionais que a COVID-19 promoverá a médio e longo prazo, todo conhecimento produzido deve ser protegido, incentivado e reconhecido pelo governo e pela sociedade.

Hoje temos muito mais perguntas do que respostas sobre a COVID-19, embora os avanços tenham sido muito significativos. De acordo com Organização Mundial de Saúde, foram confirmados no mundo 3.517.345 casos de COVID-19 (81.454 novos em relação ao dia anterior) e 243.401 mortes (3.797 novas em relação ao dia anterior) até 5 de maio de 2020. Nesse contexto, a corrida por novos métodos de diagnóstico, o desenvolvimento de uma vacina eficaz e medicamentos efetivos contra o vírus têm sido as principais frentes de atuação da ciência mundial. As pesquisas buscam ainda entender melhor a forma de atuação do vírus no organismo dos infectados, sua sobrevivência fora do organismo e os dados de distribuição mundial.

Quanto mais dados tivermos sobre a COVID 19, mais efetivo será o combate. E o papel da ciência nessa luta é primordial, por isso todos os esforços em defesa da ciência e a sua aplicação na plenitude devem ser lançados. No Brasil, as universidades e institutos de pesquisa já desenvolveram, dentre outras coisas, aparelhos respiradores de baixo custo para hospitais, novos métodos de diagnóstico da infecção e avançamos bastante na busca por novas formas de tratamento da doença. Mas o trabalho está só começando, impressiona a capacidade dos cientistas de desenvolverem soluções inovadoras, com responsabilidade e muita dedicação.

Porém, para manter o sucesso nas ações, é essencial a ampliação dos investimentos na ciência que pode salvar vidas, acelerando, com responsabilidade, a volta às atividades cotidianas da sociedade. Precisamos valorizar a ciência e cobrar das autoridades o respaldo aos pesquisadores que se dedicam todos os dias ao avanço no combate tanto desta pandemia como de diversos outros problemas da sociedade.

Vamos juntos neste dia 07 de maio fazer uma marcha pela vida, pelo desenvolvimento econômico, social e pela saúde da população, defender a ciência é defender a sociedade e o bem-estar global. Siga e multiplique as hastags #emcasacomaciência #paCTopelaVida e #MarchaVirtualpelaCiência .

 

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...