Angústia

O drama dos terceirizados da UERN

Com três meses de salários atrasados, sofrendo pressão e sem nenhum benefício, trabalhadores estão abandonando o serviço

Vem se tornando cada vez mais dramática a situação dos trabalhadores terceirizados da empresa Prime que prestam serviços no campus central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) em Mossoró.

Há três meses que eles não veem a cor do dinheiro de seus salários. Há mais de 120 dias que não recebem o vale-alimentação e, a despeito dessas grandes dificuldades, ainda vem sofrendo pressão dos supervisores da empresa.

Informações colhidas pela reportagem do Portal do RN dão conta de que muitos deles estão desistindo do trabalho. “Quase todo dia alguém pede rescisão do contrato de trabalho”, revela um terceirizado. “Hoje mesmo o supervisor fez uma colega chorar, após muita perseguição”, denuncia essa mesma fonte.

Outro trabalhador ouvido pela reportagem aponta que as desistências são exatamente pela falta de pagamento. “Isso já acontece há mais de um ano, mas tem aumentado nos últimos meses tanto pelos atrasos de salários quanto pela pressão que sofremos”, dispara.

A UERN informou que a Prime apresentou a documentação referente à prestação de serviço do mês de fevereiro de 2019 somente no dia 26 de abril e que para este processo, existe a previsão de repasse financeiro para o dia 31 de maio, próxima sexta-feira.

Acrescentou que em relação aos meses de março e abril de 2019, até o momento, a Prime não apresentou a documentação necessária para a abertura do processo, inviabilizando assim uma previsão de pagamento para os meses citados.

Ainda segundo a UERN, a administração universitária tem notificado a empresa Prime quanto aos sucessivos atrasos salariais dos trabalhadores, o que fere a legislação vigente e o contrato de prestação de serviço.

Finalizou, destacando que em relação às supostas situações de assédio envolvendo a empresa e os trabalhadores, a administração da UERN desconhece tais acusações e irá abrir investigação para apurar as denúncias.

 

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...