Volta de restrições

Governo ameaça fechar economia por causa de aglomerações

Vice-governador Antenor Roberto externou a preocupação da administração estadual com a superlotação nas praias

As aglomerações ocorridas em Natal e cidades litorâneas neste final de semana podem colocar em risco todo o trabalho de enfrentamento e superação da Covid-19 nos últimos quatro meses. Foram registradas movimentações nas praias de Ponta Negra e Cotovelo (na capital) e Tibau, no Oeste.

“O Rio Grande do Norte não é uma ilha livre desta doença. A Covid está longe da cura. A permanecer a conduta social que tivemos neste final de semana poderemos voltar a ter aumento de casos, como outros estados e países tiveram – o chamado efeito sanfona. A retomada gradual das atividades econômicas não é uma liberação geral. O Governo do Estado está vigilante e a governadora já disse que se houver nova pressão na ocupação de leitos críticos, as medidas mais restritivas vão voltar, porque nossa prioridade é salvar vidas”. A declaração foi feita ontem pelo vice-governador Antenor Roberto.

Ele externou a preocupação da administração estadual com a superlotação nas praias: “Estamos tomados por indignação. Todo o esforço construído em sociedade para alcançarmos o platô da pandemia pode ser invalidado pelo comportamento social deste final de semana com as aglomerações. Nos impressiona a falta de empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro. O que assistimos neste final de semana foi atitude de muito pouco compromisso com o próximo”.

Antenor Roberto alertou para os dois principais agentes das aglomerações. “A juventude tem que entender que a Covid não escolhe idade e afeta mais ainda os idosos. Os jovens pouco apresentam sintomas da contaminação, mas podem estar contaminando seus pais, avós e tios. A conduta social de não respeitar protocolos e regras, de não usar máscara, merece repúdio e indignação”, afirmou.

AÇÃO DOS MUNICÍPIOS – Outro fator que contribuiu para as aglomerações foi a falta de fiscalização junto ao comércio, bares, restaurantes e atividades informais, pelas prefeituras. “Onde estão as prefeituras que anteciparam decretos para reabertura do comércio, que foram à Justiça dizer que era delas a competência de jurisdição sobre a orla marítima, sobre o transporte coletivo e funcionamento e horário do comércio? Onde estão para fiscalizar as aglomerações nas praias? Onde estão estas prefeituras que assumiram o compromisso de fiscalizar o distanciamento e o isolamento social?”, questionou Antenor, para afirmar em seguida: “Há ausência destes municípios. E não há que alegar pouco pessoal na vigilância sanitária ou ausência de guarda municipal, pois o Governo está aqui oferecendo ajuda e apoio para a fiscalização através do Pacto pela Vida”, pontuou.

O vice-governador também lembrou que o decreto do Governo do RN é explícito sobre as medidas sanitárias e protetivas. “Os protocolos foram subscritos e quem assinou sabe da responsabilidade em cumpri-los para a reabertura das atividades econômicas. Cabe às prefeituras fiscalizar estabelecimentos e atividades informais que não cumprem as regras. As imagens divulgadas nas redes sociais mostram cenas inadmissíveis. Natal é o centro e o epicentro da pandemia. E a capital não oferece leitos suficientes. É preciso chamar a Prefeitura de Natal e dos municípios que não estão fazendo a fiscalização para a sua responsabilidade. Repito, alcançamos o platô, mas não podemos entrar no efeito sanfona. Qualquer prefeito ou prefeita que queira continuar a parceria do Pacto Pela Vida estamos dispostos a continuar por que esse é o nosso compromisso. E aqueles que não fizeram ainda podem vir que serão atendidos. O Governo coordena grande trabalho, com muito esforço, e quer a parceria com as prefeituras e com os cidadãos”.

Antenor ainda alertou para a responsabilidade coletiva e social para com quem trabalha. “O pessoal da área médica está esgotado e também adoece. O pessoal da segurança que está nas ruas para proteger a sociedade, também adoece. Temos problemas para cumprir as escalas devido aos afastamentos por doença. Portanto, não há sentido nas aglomerações. Consumir alimentos e bebidas próximo a outras pessoas favorece a contaminação”.

 

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...