Eleições 2020

Família Nogueira/Dodoca cada vez mais dividida em Mossoró

Agrupamento familiar participa da disputa deste ano com nada menos que 3 candidaturas a vereador

A tradicional família Nogueira/Dodoca, que tem imensa árvore genealógica, mantém há quase 50 anos uma cadeira na Câmara Municipal de Mossoró, alcançando o estágio de um ano ter duas, com Ricardo de Dodoca (que ainda a mantém) e Cícera Nogueira, que assumiu um período como primeira suplente.

A história familiar conta que, além desses, se submeteram ainda a eleições passadas, Titica de Dodoca, Nogueira de Dodoca (que foi eleito uma vez em 1996), e no ano de 2000, ainda teve Souza Júnior, como candidato, concorrendo no mesmo partido que foi PFL, hoje DEM.

Embora não eleitos, dado o coeficiente eleitoral, no linguajar da política, “morreram enganchados”, embora tenham tido votações consagradoras. Nogueira teve mais de 1.800 votos, e Souza Júnior, quase isso. Ricardo e Nogueira são filhos da eterna vereadora Raimunda Nogueira do Couto, Dodoca; Souza Júnior é filho de Lourdinha Nogueira, Cicera Nogueira irmã das duas mães. Portanto, parentes próximos.

Aqui há de se abrir um parêntese da eleição de 2000. Ecoa no mundo politico mossoroense que o advogado Souza Júnior, até então coordenador do Procon Municipal, com destacado trabalho no órgão, foi candidato para cumprir missão, não de se eleger, mas com o objetivo único de derrota, a mando de Ravengar, alcunha de Carlos Augusto Rosado.

Nenhum dos dois foi eleito, ou seja a maquiavélica estratégia teve êxito, mas, como disse Souza Júnior um dia, apesar da suposta fidelidade e cumprir com sucesso a tarefa, não voltou ao Procon, tampouco teve qualquer cargo na administração municipal, apesar de sua capacidade e inteligência comprovada, com o adendo que a esposa dele ser pessoa extremamente ligada ao Rosalbismo, e ter reconhecido prestígio com o casal, com laços fraternos de amizade.

“Se essa versão fosse verdade, não me classifiquem nem de burro, seria um completo idiota de ter voltado ao meu pequeno escritório, absolutamente quebrado, menos, trincado, posto que banca de advocacia não quebra, deixar de ter clientes. Mas nunca esqueçam, além de ter orgulho de ser um Nogueira, sou pau d´arco da gema”, sentenciou.

O certo é que a família Nogueira é uma máquina de fazer votos. Contudo, diante dessa nova realidade da política, dificilmente elegerão dois, com o grave de que Jeremias Soares do Couto Neto, sobrinho de Ricardo, o tal Gera Fogo, indicado por Ricardo para administrar o mercado do Alto da Conceição, empolgou-se com a popularidade, ou seja, foi mordido pela mosca azul, bateu o pé e está em campo pedindo como candidato dissidente no particular grupo dos Dodoca.

Antes, na eleição de 2008, numa ousada estratégia, houve a intenção de reunir a família. Souza Júnior e Cícera Nogueira, pelo apoio que tinham dado a candidata Wilma de Faria, foram presenteados com o indicação da direção do Ciretran local. Pactuaram que o Detran. que seria de Souza Júnior, fosse entregue a Nogueira, que assumiu e apoiou “Tia Cíça”.

Contudo, dessa vez quem foi picado pela mosca azul foi Ricardo de Dodoca, que na eleição anterior teve pífios 600 e poucos votos. Bateu o pé e disse: “a cadeira é da minha mãe”.

Já em 2012, com o apoio do então diretor do Detran, que teve papel decisivo na campanha, Ricardo de Dodoca teve uma votação consagradora de mais de 4.000 mil votos, enquanto Cícera, mais de 2.000, ficando na primeira suplência de Renato Fernandes, chegando a assumir parte do mandato.

Assim, diante do histórico e das circunstâncias e peculiaridades dessa nova e árdua batalha, há hoje na família 3 candidaturas irredutíveis e irremovíveis: Ricardo de Dodoca pelo PP, Cícera Nogueira pelo MDB, e Jeremias Soares, o Gera Fogo, por um partido de menor expressão na cidade, o Republicano, daí porque saí a conclusão da fonte. “Pelo feitio da sela, a carroça vai atropelar os burros”.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...