E VOCÊ, VEM FAZENDO SUA PARTE?

É fácil apontar o dedo e eleger um culpado ou, mais fácil ainda, delegar a outra pessoa a missão de buscar soluções para todos os problemas. Cabe então perguntar: E você, vem fazendo sua parte? O clamor por mudanças e mais seriedade na vida pública é geral, porém não basta, no caso em foco, apontar a classe política como sendo a única culpada. A mudança, mesmo que lenta e difícil, só irá acontecer se existir um esforço de forma coletiva. Não adianta apontar culpados quando, sequer, respeitamos a ordem da fila, o sinal vermelho ou a faixa de pedestre. Estamos sempre querendo levar vantagem, quando saqueia-se o dinheiro do carro que capotou, deixando de lado o socorro ao motorista envolvido no acidente. Vamos cobrar sim dos nossos representantes nas diferentes esferas do poder, porém, vamos mudar juntos de atitude e perguntar ao cidadão que se queixa: E você, vem fazendo sua parte?

MUITA CHUVA NA CIDADE

Recorrendo a sabedoria popular e, das pessoas mais crentes, eu diria: “Quando Deus quer, nada é impossível”. Quem apostava ou fazia previsões de um ano de seca, caiu com a cara na lama. Sim senhor, na lama, pois a chuva que molha a região não é pouca. Ainda existem notícias de locais sem chover, porém no geral o período chuvoso vai derrubando e levando na enxurrada todas as previsões negativas. É muita chuva na cidade e também na zona rural.

BIBLIOTECA DA UERN

Muito se cobra do estudante brasileiro que pouco se dedica a leitura, e isso não é mentira. Porém, é preciso ter alguns cuidados para que o ambiente de estudo se torne agradável, e não uma preocupação extra para aqueles que buscam os livros. Isso posto, quero me reportar aqui as condições, pouco recomendáveis, da biblioteca do campus central da Uern. Quando chove até infiltração aparece, água caindo em seu interior, a popular goteira. Aqui vai um apelo para que a reitoria possa adotar, através dos seus assessores, providências urgentes. Em tempo: ninguém me contou, eu estive no local e vi tudo.

A MARCA DOS 100 DIAS

A cada início de gestão existe sempre alguém contando a marca dos 100 dias para poder iniciar, com mais firmeza e frequência a cobrança pelas promessas feitas no período de campanha. Então, para quem segue essa política, lembramos que os atuais prefeitos, empossados em janeiro, completam 100 dias no poder agora em abril. Sendo assim, busque a lista com as promessas feitas no palanque e, mãos à obra. Faça a cobrança direta ao gestor ou através do seu vereador, como também, os meios de comunicação. Tudo é válido quando se busca a realização do melhor pensando no coletivo, e não por mera birra política.

DISCUTINDO A REFORMA

Esse, em concorrência com a Lava Jato, é o tema do momento em todo o país, e Mossoró não poderia ficar de fora. Estou falando da proposta de Reforma da Previdência que, na opinião da maioria, deverá, se aprovada como vem sendo apresentada, gerar enormes prejuízos à população. Para saber como estão as coisas hoje e, como podem ficar, estará acontecendo dia 07, na UnP Mossoró, “Encontro sobre a Reforma da Previdência”. O evento, no auditório do campus Mossoró da UnP terá início às 19h, tendo como expositores Thiago Luís Albuquerque, ex-assessor do Tribunal Nacional de Uniformização (TNU) e o presidente da OAB Mossoró, Canindé Maia. A organização é da professora Kelly Kercy da coordenação de Pós-Graduação em Direito. Participe, é do interesse de todos.

MENSAGEM

“AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO”. – 1º dos dez mandamentos da Lei de Deus.

E A CARNE, ERA OU NÃO FRACA?

Depois que anunciaram os resultados das análises feitas nos produtos, fica a dúvida se a carne realmente era fraca. De acordo com a avaliação técnica, os produtos recolhidos não apresentaram nenhum problema para o consumo. Por sua vez, existem aqueles que defendem a existência de um movimento, de bastidores, para desacreditar a ação da polícia federal. O pior é, no meio desse tiroteio de informações divergentes, tem a população sem saber quem tem razão. Uma coisa é certa, fraca ou não, a repercussão causou enorme prejuízo à economia, quando toneladas de carnes deixaram de ser exportadas. Só pra constar: de minha parte continuo saboreando um bom churrasco, ou seja, podem me convidar que eu vou.

CARNE FRACA DOIS

Encerrei a nota supra em tom de brincadeira, porém não perco o foco na seriedade do tema. Enfim, fraca ou não, é preciso que a fiscalização exista, claro, sem show de pirotecnia, mas com foco realmente na missão de servir a população e cuidar da qualidade do produto nacional. Ao invés de tomarmos partidos, se tinha ou não razão a polícia federal ou se tem ou não razão os empresários, devemos sim é exigir que a verdade seja posta. É preciso pensar na economia do país, porém sem sacrificar a saúde do seu povo.

A VIOLÊNCIA SÓ CRESCE

Enquanto o governador Robinson Farias se protege em seu carro blindado, a população do Rio Grande do Norte tenta se esconder. Até dentro de casa anda difícil garantir a segurança, pois a violência só cresce enquanto as ações oficiais para combate, praticamente inexistem. E o pior, a informação é de que a cada mês cresce o número de policiais que estão dando baixa e indo para a reserva. O motivo seria a falta de segurança para a própria corporação. Hoje, policial que atua com mais firmeza contra bandido, acaba sofrendo punição. Não estamos defendendo aquela tese de que “bandido bom é bandido morto”, longe disso, porém, é preciso que os policiais tenham o apoio devido na hora de defender a sociedade e a sua própria vida. Se isso não existir, o melhor e ir para a reserva mesmo. Infelizmente.

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

Enquanto em nível nacional assistimos a saída da cadeia, para prisão domiciliar, da ex-primeira dama do Rio de Janeiro, Adriana Anselmo, pelo Brasil afora a realidade nos presídios femininos é bem diferente. Em conversa sobre o assunto, ouvi de um operador do direito, a informação de que havia pedido prisão domiciliar para uma cliente que é soro positivo e ainda tem uma gravidez de risco, mesmo assim teve sua iniciativa negada. Pelo visto existem dois pesos e duas medidas na hora de decidir quem pode gozar do benefício de cumprir pena no aconchego do lar. O esforço existe, mais ainda vivemos em um país de extremas desigualdades, principalmente quando envolve quem tem ou não dinheiro.  Estou certo, ou estou errado?

VEREADORES DE MOSSORÓ

Diz o ditado popular: “vassoura nova é que varre direito”.  Deixando de lado as querelas de interesses de agrupamentos políticos, sempre existe e já vem sendo visto, no geral podemos avaliar como positiva a fase inicial da nova legislatura na Câmara Municipal de Mossoró. A turma anda com o gás todo na apresentação de requerimentos e indicações, como também no uso da tribuna no grande e pequeno expediente. Debates até acalorados, que tem obrigado a mesa diretora a pedir a prorrogação das sessões. E isso é bom. Quanto a votação de projetos polêmicos, segue a decisão pela força da maioria, ou seja, de quem tem maior bancada. Porém, nesse momento, é uma maioria bem delicada, caminhando no fio da navalha em linha tênue. Aguardemos os meses que avançam.

 

Notícias semelhantes