Entrevista

Conversa da Semana com Hubeônia Alencar

Hubeônia Morais de Alencar. Mulher, educadora que construiu toda sua trajetória tendo como base, a escola pública. Natural do Sítio Fortuna, zona rural de Caraúbas-RN. Filha de agricultor e dona de casa, Hubeônia vivenciou as dificuldades de estudar em unidades de ensino sem estrutura adequada e sem os recursos necessários. Mas, em meio aos obstáculos, sempre enxergou na educação uma saída para vencer e conseguir meios para mudar muitas realidades. Chegou à universidade, se tornou Mestre em Letras pela UERN e doutora em Estudos da Linguagem pela UFRN, é professora adjunta da Uern e diretora da Faculdade de Letras e Artes (FALA/Uern).  Hoje, assume a tarefa de comandar um dos pilares da administração do prefeito Allyson Bezerra, a Secretaria Municipal de Educação. Apesar de todos os títulos e conquistas, Hubeônia Alencar, mantém a simplicidade e a consciência de todas as pedras encontradas pelo caminho até se tornar uma das mulheres mais importantes da capital do oeste potiguar. É referência para muitos outros estudantes que compartilham de sua mesma origem e é também um exemplo de como a educação tem o poder de transformar vidas. Hubeônia é a entrevistada do quadro Conversa da Semana do Portal do RN de hoje, 08, e durante a entrevista, revela ter sido uma honra, a escolha para ser secretária de educação, destaca os desafios de comandar a pasta em plena pandemia, fala dos projetos futuros e do prazer em ter a oportunidade de poder contribuir para a construção de uma educação pública de qualidade no município de Mossoró.

Por Sayonara Amorim

PORTAL DO RN – Secretária, como a senhora se preparou para assumir a Secretaria Municipal de Educação na gestão Allyson Bezerra, levando em conta ser essa uma área considerada pelo chefe do executivo, um dos pilares de sua administração?  

HUBEÔNIA ALENCAR – Primeiro veio a surpresa com o convite. Quando Alysson me convidou, eu não esperava. Então nós sentamos e ele me apresentou o projeto que a sua administração estava propondo para a educação em Mossoró. Quando ele destacou que esta área seria um pilar, eu fiquei muito feliz. Aceitei o convite e me senti muito honrada em ter a oportunidade de trabalhar em um projeto que permite a valorização da educação. Foi a partir do conhecimento desse plano de governo que comecei a me preparar para assumir a pasta. Primeiro aceitei o convite, depois passei a conhecer como funciona a rede de ensino do município e a estudar todo o plano proposto pelo governo Allyson.

PRN – Com a pandemia, houve a necessidade de se reinventar, criar novas estratégias para que as aulas continuassem acontecendo, como a sua gestão está administrado esse novo formato de dar aulas?

HUBEÔNIA ALENCA – Nós assumimos a Secretaria de Educação faltando um mês para a data prevista de reinício do ano letivo, de acordo com o calendário da gestão anterior, e nós imaginamos que chegaríamos aqui e colocaríamos o nosso plano em prática. Não foi bem assim. Percebemos que precisaríamos fazer um diagnóstico dos problemas para então reestruturar o plano que havia sido preparado para a atual gestão. Começamos então a trabalhar um projeto para o retorno as aulas de forma remota. Porque, apesar da pandemia ter sido decretada ainda na gestão anterior, não havia um plano para que as escolas funcionassem de acordo com as restrições impostas pela pandemia. Então percebemos que não havia segurança e nem um plano de sistematização para que as aulas fossem retomadas na data prevista. Então, reunimos o conselho, apresentamos a situação, começamos a elaborar um novo calendário, realizamos jornada pedagógica, capacitação para os professores, alunos e para as famílias dos alunos. Elaboramos toda uma preparação para as aulas no formato remoto.

Muitas escolas não tinham torneiras funcionando nas pias para que os alunos pudessem lavar as mãos.

PRN – Muitas unidades de ensino estão passando por reformas e reestruturação, como a senhora avalia o andamento dessas obras?

HUBEÔNIA ALENCAR – Após elaborarmos todo o plano para que as aulas pudessem, de fato serem reiniciadas, de forma remota, começamos a fazer visitas as unidades para diagnosticar os problemas estruturais. Percebemos que muitas escolas precisam de reforma ampla, porém, elaboramos um projeto que priorizasse os problemas estruturais mais urgentes e que pudessem ser solucionados de imediato. Como consertos da parte hidráulica e elétrica. Muitas escolas não tinham torneiras funcionando nas pias para que os alunos pudessem lavar as mãos. Realizamos e ainda estão sendo feitos muitos serviços de retelhamento nas unidades. Todos esses consertos estão sendo feitos de forma emergencial para que as unidades tenham estrutura básica para receber os alunos quando as aulas presenciais forem retomadas. Nós temos muitas escolas que precisam de reforma mais ampla, mas isso não será possível, no momento. Mesmo porque nós estamos administrando um orçamento que não foi criado pela nossa gestão. Por outro lado, nós estamos retomando obras que estavam paralisadas há vários anos. Ou seja, estamos trabalhando em muitas frentes, preparando as escolas para receber os alunos.

PRN – Secretária, quando a senhora fala que as escolas estão sendo preparadas para receber os alunos, significa que no momento ainda não existe essa estrutura? Por exemplo, todas as escolas com torneiras funcionando, disponibilidade de álcool em gel, máscaras, etc.?

HUBEÔNIA ALENCAR – Exatamente. Porque quando se fala em retorno as aulas presenciais precisamos avaliar as condições de segurança tanto para os alunos quanto para os professores e todos os trabalhadores envolvidos. Porque, a partir do momento que colocamos crianças numa sala de aula de aula, mesmo que em formato híbrido, o vírus vai estar circulando, estamos pondo em risco a vida dessas crianças e de outras pessoas. Portanto, eu digo que as nossas escolas não estão preparadas, ainda, para reiniciar as aulas presenciais. E quando me perguntam, por que as escolas privadas voltam e a pública não? A resposta é simples. Porque na escola privada, do transporte do aluno ao álcool em gel e a máscara, tudo é providenciado pelos pais, na escola pública não.  A maioria das famílias não tem como bancar esses custos e é a escola pública quem precisa oferecer esse suporte. Quando nós assumimos não havia um álcool em gel comprado, uma máscara comprada e tudo isso está sendo providenciado para que possamos oferecer um retorno seguro.

PRN – Recentemente foi inaugurada a UEI do bairro Santo Antônio, na Estrada da Raiz, uma unidade que fica numa área periférica, onde a grande maioria dos moradores vive em situação de vulnerabilidade social, portanto, se mostra como uma obra de extrema necessidade para atender as crianças daquela área. Porém, a construção da unidade havia sido iniciada há quase doze anos. Qual é a sensação de participar da inauguração de uma obra dessa importância, fazendo parte de sua gestão como secretária de educação?

HUBEÔNIA ALENCAR – Foi um dos momentos mais felizes até aqui. De fato, inaugurar uma obra para qualquer gestor, é motivo de alegria. Agora, inaugurar uma escola, em uma região carente, é muito mais significativo. Especialmente, quando essa obra é uma unidade de educação infantil, porque compreendemos que é na educação da criança que se prepara a sociedade.  É a base, é o começo. Portanto, concluir a obra de uma escola e entregar para a comunidade a finalização, a concretização de um sonho de tantos anos, foi realmente um momento muito especial. E nós esperamos que não pare por aí, que esta obra tenha sido o começo de muitas outras que ainda vamos concretizar.

Nossa paixão pela educação, é um reflexo do que nós somos hoje. Nós somos frutos da educação pública.

PRN – Secretária, é visível que existe uma sintonia de pensamento e ideias entre a senhora e o prefeito Allyson, principalmente quando o assunto é educação pública. Essa sintonia é real, no tocante aos projetos voltados para esta área no município de Mossoró?

HUBEÔNIA ALENCAR – Essa semelhança de histórias da minha trajetória com a do prefeito Allyson, com certeza fez parte da escolha dele e da minha aceitação para o cargo. De fato, existe uma sintonia muito boa entre nós. O prefeito costuma se reunir com o seu secretariado e existe uma afinação entre o discurso e a prática em todo o secretariado. E a nossa paixão pela educação, é um reflexo do que nós somos hoje. Nós somos frutos da educação pública. Tanto a secretária Hubeônia como o prefeito Allyson tiveram suas vidas transformadas pela escola pública. Toda a nossa formação, tanto a minha quanto a formação do prefeito Allyson começou na zona rural e foi toda construída em escola pública. Então, eu costumo dizer que a luta por uma escola pública de qualidade, é muito mais que uma bandeira, é um dever. É uma forma de mostrar para a sociedade que vale pena investir em educação.

PRN – Quais são os próximos projetos a serem postos em prática na sua gestão?

HUBEÔNIA ALENCAR – Nós temos vários projetos em andamento. Tanto na infraestrutura como no setor tecnológico. Estamos trabalhando na proposta de um novo Organograma da Secretaria Municipal de Educação, estamos também trabalhando na revitalização da Gerência de Planejamento e Avaliação; Estamos com ações para a implementação do Sistema de Gerenciamento da Educação (SIGEDUC); temos o projeto de Curso de Línguas, em parceria com a Faculdade de Letras e Artes (FALA) da UERN, para implementação no 2º semestre de 2021; Adesão de Escolas Rurais ao PDDE Campo; Projeto Conexão Cidadã, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Juventude. Estamos com planejamento para implementação das ações do Projeto-piloto do Programa de Inovação Educação Conectada (PIEC) da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP); estamos elaborando o projeto “Central de informações para uma gestão integrada”, com vistas à informatização/otimização dos dados intersetoriais da SME. E ainda temos muitos projetos a serem trabalhados ao longo de nossa gestão. Entre esses projetos, está também a realização de um processo seletivo para contratação de novos professores para compor os quadros da rede municipal de ensino.

O professor teve que se reinventar e, em muitos casos está trabalhando muito mais agora do que quando estava em sala de aula.

PRN – Com a pandemia, surgiu a necessidade de se buscar uma nova forma de lecionar e muitos professores estão tendo problemas para ministrarem suas aulas. Quais são as principais dificuldades enfrentadas pelos professores da rede pública e o que a SME está fazendo para amenizar essas dificuldades? 

HUBEÔNIA ALENCAR – Alguns professores tem relatado dificuldades com a reinvenção da prática, que são exatamente as aulas remotas. Existe hoje, um discurso falacioso que o professor está em casa sem trabalhar, e eu preciso sair em defesa do professor e dizer que não é verdade. Pelo contrário, o professor teve que se reinventar e, em muitos casos está trabalhando muito mais agora do que quando estava em sala de aula. De repente o professor teve que conviver com o novo, teve que aprender a lidar com as ferramentas tecnológicas e muitos não conseguiram. E o que nós temos feito é investido em formação, em capacitação. Outra coisa muito bacana que está acontecendo é a solidariedade entre os professores. Tenho um exemplo muito bonito de um professor que não estava dando aulas porque não conseguia usar as ferramentas tecnológicas, então, ele passou por capacitação, recebeu ajuda dos colegas e hoje ele grava os vídeos, leciona de forma remota normalmente como os demais. Essa superação foi muito importante, por isso, é muito injusto dizer que os professores não estão trabalhando.

PRN – Secretária, fique à vontade para fazer suas considerações finais

HUBEÔNIA ALENCAR – Eu estou muito feliz com o cargo que ocupo. Considero que é uma oportunidade ímpar, especialmente para quem veio de escola pública, quem teve toda sua vida educacional dependendo do serviço público. Hoje ocupar um espaço em que posso decidir também sobre outras vidas que estão num contexto semelhante ao que eu vivi lá atrás, é muito importante, muito significativo. Então, o meu compromisso enquanto gestora, é um compromisso político no sentido amplo do termo, no sentido de políticas públicas, de políticas educacionais que possam facilitar a vida do sujeito. Nossa maior preocupação na Secretaria Municipal de Educação, é com o serviço que está chegando para a comunidade. Então, o que Mossoró pode esperar da nossa secretaria, é o comprometimento, é o engajamento. Estamos aqui com uma equipe trabalhando dia e noite para entregar para a sociedade, um trabalho de qualidade com o objetivo de promover uma educação de qualidade.

 

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...