Curta metragem

Alunos de escola estadual protagonizam filme sobre cangaço e coronelismo

O curta é protagonizado por alunos da unidade de ensino e será lançado no próximo dia 13 de novembro

Períodos marcantes na história do nordeste brasileiro o cangaço e o coronelismo ganham destaque no curta metragem “Sicários: Entre Bornais e Patentes”, produção audiovisual realizada pela escola estadual Antônio de Azevedo, localizada no município de Jardim do Seridó (RN).

O curta é protagonizado por alunos da unidade de ensino e será lançado no próximo dia 13 de novembro, as 19h30, na praça prefeito Manoel Paulino dos Santos Filho – em frente à escola.

Baseado em fatos reais o filme narra, de forma crítica, a história da passagem do cangaceiro Antônio Silvino pela cidade de jardim do Seridó, situada na região sudoeste do Estado. Produzido pela escola e possuindo um enredo idealizado por professores e alunos, o curta conta com um elenco formado por estudantes do 1º ao 9º ano, além da participação de alguns ex-alunos e funcionários da unidade de ensino.

A ideia de produzir o filme Sicários, primeira produção audiovisual conduzida pela unidade escolar, surgiu no âmbito do projeto “A hora e vez da leitura”, inciativa desenvolvida pela escola e que tem por objetivo o incentivar nos alunos o hábito da leitura literária trabalhado a partir de diferentes gêneros textuais.

Segundo a coordenadora pedagógica da unidade escolar, a professora Maísa Guilherme, a cada ano a escola realiza uma edição do projeto sempre trabalhando um novo tema. A temática deste ano escolhida pelos alunos, “Cangaço e Coronéis”, foi aplicada a partir da adaptação da literatura, orientada pelos professores, à uma peça teatral. Dessa forma, além de estimular a leitura entre os estudantes, a inciativa oferece a possibilidade dos alunos aprenderem sobre aspectos da história do nordeste brasileiro de forma lúdica e inovadora.

“As turmas de 8º e 9º ano optaram por fazer leituras de crônicas e textos informativos sobre o Coronelismo e o Cangaço no RN e, especificamente em Jardim do Seridó. Os professores apresentam um leque de autores aos alunos e, juntos, escolhem um patrono literário ou gênero textual para trabalhar durante um semestre”, explica a coordenadora.

Como atividade de encerramento do projeto os alunos apresentaram uma peça teatral desenvolvida por eles e, a partir desse resultado, surgiu o interesse de transformar a representação em um curta metragem.

Produção 

Financiado pela Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC), o filme foi dirigido e roteirizado pelo ex-aluno da escola, Gabriel Santos, que hoje é professor de história, além de ser pesquisador em teatro e produção de cinema. A produção do curta ficou a cargo do ex-aluno, Danúbio do Santos, responsável pela produtora DS Videomaker, que fez as gravações do filme.

Para a professora Maísa Guilherme, que também é a idealizadora do projeto “A hora e a vez da leitura”, a produção do curta possibilitou os alunos o desenvolvimento de competências que vão além das disciplinas, mas que atingem um conhecimento mais profundo acerca da história local. “Participar de um trabalho como esse possibilita ao aluno imbricar-se no universo sócio comunicativo e cultural contemporâneo, na leitura e produção de texto multidisciplinar e a vislumbrar possibilidades as quais nunca imaginaram”, destaca a professora.

Enredo 

Desenvolvida integralmente a partir de aspectos da história e cultura nordestinas, o curta é ambientado na cidade de Jardim do Seridó dos anos 1980, e referência figuras marcantes da época, como o major João Alves e o coronel Felinto Elísio de Oliveira Azevedo. Na produção, os alunos também fazem uma homenagem ao jardinense – como é chamado o cidadão de Jardim do Seridó – Antônio Valete.

Notícias semelhantes