Abramos os olhos, mas tomemos atitudes

O governo tirano do insano Jair Bolsonaro vem a cada dia testando qual seria a reação do povo a uma provável reedição do Ato Institucional 5, o mais perverso dos atos emanados na Ditadura Militar que vigorou no Brasil entre 1964 e 1985.

Depois do filho do presidente, agora é o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem defende que o AI-5 seja reeditado.

Razão simples: as medidas do governo estão tornando o pobre cada vez mais pobre e o rico cada vez mais rico. O resultado só poderá ser um: convulsão social. Como combatê-lo? Pela ótica bolsonarista: com violência.

Sem reações enérgicas a esses discursos, não tardará para que a Ditadura branca que ora vivemos se materialize com sua face mais violenta e cruel. Notinhas e opacas declarações de repúdio não porão freio a esses desejos cruéis do presidente, de seus filhos e auxiliares.

Somente a cassação de Eduardo Bolsonaro, que defendeu primeiramente a volta do AI-5 fará com que a família presidencial perceba que suas vontades estão acima da democracia e, principalmente, que aqui ainda há algum rastro de estado democrático de direito. Abramos o olho. Porém, tomemos atitudes.

DINHEIRO PRA QUÊ?

A prefeitura de Mossoró espera os R$ 150 milhões para investir ou para pagar as dívidas que se acumulam?

DÍVIDA DE ONDE?

Esse acúmulo de dívidas se dá por queda nas receitas? Quais? Como? Por que? A surrada desculpa do PROEDI não cola mais.

DEFESA INDEFENSÁVEL

O vereador Francisco Carlos (PP) disse que devemos defender o direito de Mossoró receber R$ 150 milhões. Alto lá, parlamentar. Vamos explicar melhor. Mossoró não vai receber como se fosse uma emenda, um dinheiro ganho na loteria, uma verba a mais. Nada disso. Mossoró vai se endividar, essa é a realidade e nenhuma outra.

EM COMISSÕES

Tramita nas comissões técnicas da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (AL/RN) o projeto do governo solicitando abertura de dotação orçamentária para possível pagamento do décimo terceiro salário de 2019. Noutra frente, a gestão estadual busca os recursos para a operação.

 

FAÇA O QUE DIGO…

O deputado federal Eliéser Girão criticou a viagem dos governadores do Nordeste que foram à busca de investimentos na Europa. Classificou a empreitada dos gestores como turismo.

 

…NÃO FAÇA O QUE FAÇO

Girão é o mesmo que não diz uma palavra sobre os gastos do presidente Bolsonaro com o cartão corporativo.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...