Investigação

Universitária foi estuprada duas vezes e morta por PM, diz delegado

A informação foi confirmada pelo delegado titular da Delegacia Municipal de Caicó, Leonardo Germano, responsável pela investigação do assassinato da jovem.

A universitária Zaira Dantas Silveira Cruz, de 22 anos, foi vítima de feminicídio e de dois estupros praticados pela mesma pessoa. O suspeito é o policial militar, que está preso no Quartel da Polícia Militar em Natal, desde o dia 15 de março. A informação foi confirmada pelo delegado titular da Delegacia Municipal de Caicó, Leonardo Germano, responsável pela investigação do assassinato da jovem.

Segundo o delegado, a jovem foi estuprada pelo PM, primeiramente, no mês de agosto de 2018. O crime não foi denunciado, contudo foi constatado na investigação. Depois disso, no dia 2 de março deste ano, ela foi morta pelo policial.

“No dia 2 de março de 2019, Zaira Cruz encontra-se com ele no carnaval de Caicó. Ele fica com a vítima, dentro de um veículo, entre 2h14min e 3hs da madrugada. Neste lapso temporal, o policial tenta ter relação sexual com a universitária, porém ela nega. Diante da negativa de Zaira, ele a estupra e depois decide matá-la. Por volta das 3hs, Zaira é encontrada morta dentro do veículo, no banco do passageiro”, detalhou o delegado.

Durante as investigações, a Polícia Civil descobriu que o primeiro estupro sofrido por Zaira Cruz, no mês de agosto do ano passado, foi compartilhado pela vítima em conversas com pessoa próxima a ela. A jovem relatava que o policial militar tentou manter relação sexual, sem uso de preservativo e que, após a negativa dela, ele a violentou.

A estudante foi morta por estrangulamento em golpe conhecido como popularmente como “gravata” ou “mata-leão” no dia 2 de março, durante o carnaval de Caicó, na região Seridó do Rio Grande do Norte.

Notícias semelhantes