CPI

Omar pede a Bolsonaro para se pronunciar sobre denúncias

Presidente ainda não respondeu às acusações feitas pelo deputado Luís Miranda que acusou o governo de superfaturar valor de vacinas

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Pandemia, pediu no início da tarde desta quinta-feira, 8/7, que o presidente da República, Jair  Bolsonaro (sem partido) se pronuncie a respeito das denúncias feitas pelo deputado Luís Miranda (DEM-DF) que denunciou a existência de um esquema de superfaturamento na compra da vacina no âmbito do Ministério da Saúde.

“Senhor presidente, por favor, diga pra gente que o deputado Luís Miranda é um mentiroso. Diga que Luís Miranda está mentindo. Que o seu líder na Câmara é um homem honesto. Há 12 dias que o senhor se cala”, apelou Aziz. O presidente da CPI informou ainda que a comissão está enviando ofício à Presidência da República para que o governo se manifesta sobre as declarações de Miranda.

Em depoimento à CPI, no mês de junho, Luís Miranda colocou o nome do presidente Jair Bolsonaro e do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), no centro de um possível escândalo de superfaturamento na compra das vacinas indianas da Covaxin.

O deputado chegou inclusive a dizer que o presidente sabia que algo estava errado, mas que não fez nada, justificando que outro parlamentar estaria da base da negociação irregular.

Omar Aziz também se referiu às ações intimidatórias que tem sido feitas contra o trabalho da CPI e manifestou disposição de continuar atuando cada vez mais empenhado. “Presidente, não é o senhor que vai calar essa CPI”, disparou.

Omar Aziz ressaltou também que nunca acusou o presidente de ser genocida e desonesto. “Lhe acuso de ser contra a ciência, de não fazer propaganda da vacinação, lhe acuso de tentar desqualificar as vacinas. Não lhe acuso de ser ladrão, de fazer parte de rachadinha”, frisou.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...