Avaliação

Mossoró vive grave estagnação econômica, diz secretário

Para Aldemir Freire, economia passa por reconfiguração e que será preciso investir em ciência, tecnologia e inovação

A economia de Mossoró vem sofrendo com uma grave estagnação, iniciada em 2013. A avaliação foi feita ontem, 15/5 pelo secretário estadual de Planejamento do Rio Grande do Norte, Aldemir Freire, durante o seminário “A gestão que Mossoró precisa”, promovido pelo diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT).

“Mossoró polariza uma das regiões mais dinâmicas, mais ricas e mais diversificadas não só do Rio Grande do Norte, mas do Nordeste”, apontou o secretário, citando sua localização geográfica, principalmente por estar próxima a dois portos (Pecem e Natal) e dois aeroportos. “A região de Mossoró diverge, por exemplo, de todo o semiárido nordestino”, frisou, se referindo à oferta hídrica que a cidade dispõe.

Apesar de ter um potencial econômico importante por ter polos de calcário, ceramista e de fruticultura, a economia do município vem arrefecendo, a despeito de ter também um importante polo universitário. “Há um problema na economia”, ressaltou Aldemir Freire.

O secretário destacou que a partir de 2013 a economia de Mossoró passa por uma estagnação. “De 2002 a 2013, você tem um crescimento constante do Produto Interno Bruto de Mossoró em termos nominais. A partir daquele ano, Mossoró tem uma regressão da sua economia, causada princialmente pela transformação causada na indústria do petróleo”, avaliou.

De 2002 a 2013, o PIB de Mossoró caiu praticamente a metade, apontou o secretário, apresentado dados sobre a situação econômica da cidade. “Em 2002, o principal setor econômico da cidade era a indústria, que representava praticamente 40% do PIB da cidade”, relatou.

Já o setor de serviços, que representava um terço da economia, hoje representa praticamente 50%. Os serviços públicos, que respondiam por menos da metade do PIB da indústria, hoje, ele tem um peso maior que o setor industrial.

O secretário de Planejamento acredita que a indústria de petróleo vai voltar a se recuperar, mas que não voltará a ser o que era antes. Para Aldemir Freire, para que a economia da cidade volte a crescer, será necessário investir em ciência, tecnologia e inovação. Aldemir concluiu dizendo que a economia da cidade passa por uma reconfiguração e que a gestão municipal tem um papel importante nesse aspecto.

Além do secretário de Planejamento, também atuaram como debatedores no seminário a deputada estadual Isolda Dantas (PT/RN) e o advogado Paulo Linhares.

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support