Previdência

Fátima classifica como inaceitável vincular pacto federativo a apoio à reforma

Fátima citou como pontos prejudiciais aos trabalhadores a redução em 60% do benefício de prestação continuada, a aposentadoria rural, e o sistema de capitalização



A governadora Fátima Bezerra explicou nesta quarta-feira, (8/5), durante café da manhã oferecido aos governadores pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre, a sua posição sobre a proposta de Reforma da Previdência do governo Bolsonaro.

Na oportunidade, ela afirmou ser necessário um debate amplo e transparente sobre a proposta, mas deixou claro do jeito que foi concebida, não terá o apoio dela, nem dos demais governadores do Nordeste, conforme Carta de São Luís, divulgada em março.

Fátima citou como pontos prejudiciais aos trabalhadores a redução em 60% do benefício de prestação continuada, a aposentadoria rural, e o sistema de capitalização semelhante ao do Chile, que levou os idosos daquele país à miséria. “Não daremos aval a uma proposta de Reforma da Previdência que contenha tais pontos, porque vai prejudicar cada vez mais os mais pobres.

Essa posição não é apenas da governadora Fátima Bezerra, é também de todos os governadores do Nordeste”, enfatizou Fátima, acrescentando: “retirados estes pontos, entendemos, sim, que se faz necessária a reforma, mas através de um amplo e transparente debate com todos os segmentos da sociedade.”

Fátima classificou como “inaceitável” a estratégia do Governo Federal de vincular a aprovação do Pacto Federativo, uma das principais reivindicações de governadores e prefeitos, à aprovação da reforma previdenciária nos moldes como ela está posta.

Segundo a governadora, os Estados enfrentam problemas que exigem medidas urgentes para ajudar na recuperação fiscal, diante da grave crise financeira. “Não dá para ficar nessa espécie da toma-lá-dá-cá. Isso não é sensato, não é republicano, afronta o pacto federativo e torna os governadores totalmente reféns do andamento da Reforma da Previdência”, afirmou.

Com informações da Assessoria de Comunicação do Governo do RN

Notícias semelhantes