12 MÚSICAS ESSENCIAIS NA CULTURA BRASILEIRA – MAS CENSURADAS DURANTE A DITADURA MILITAR

De YOLANDA REIS para a RollingStone

AI-5, ato institucional de 1968, exigia liberação de músicas, filmes e mais previamente à publicação; Chico Buarque, Gilberto Gil, Gal Costa e outros artistas essenciais brasileiros foram reprimidos

Em 1 de abril de 1964, começou o Regime Militar no Brasil. Uma das maiores lembranças da ditadura é o Ato Instucional nº5 – ou AI-5. Este, de dezembro de 1968, instaurou regras como junção dos poderes legislativo e executivo, toques de recolher, proibição de reuniões não autorizadas e, mais lembrado, a censura da liberdade de expressão.

A arte foi uma das que mais sofreu com as medidas. Depois do AI-5, músicas, filmes, livros, revistas e jornais precisavam de aprovação governamental prévia à publicação. Diversos artistas, vivos até hoje, tiveram canções censuradas. Os motivos iam desde subversão à palavras de grafia errada.

Separamos, abaixo, 10 músicas essenciais da cultura brasileira censuradas durante a ditadura.

“Cálice” (1973), Chico Buarque e Gilberto Gil

Letra: “Pai, afasta de mim este cálice / De vinho tinto de sangue”

“Apesar de Você” (1970), Chico Buarque

Letra: “Hoje você é quem manda / Falou, tá falado / Não tem discussão / A minha gente hoje anda / Falando de lado / E olhando pro chão, viu / Você que inventou esse estado / E inventou de inventar / Toda a escuridão / Você que inventou o pecado / Esqueceu-se de inventar / O perdão / Apesar de você / Amanhã há de ser / Outro dia”

“Tiro Ao Álvaro” e “Um Samba no Bexiga” (1973), Adoniran Barbosa

Letra: “Meu coração até parece / Táuba de tiro ao álvaro […] Teu olha mata mais / Que atropelamento de automover / Mata mais que / Bala de revorve.” (“Tiro ao Álvaro”)

“Domingo nois fummo num samba no Bexiga / Na Rua Major, na casa do Nicola / À mezzanotte o’clock / Saiu uma baita duma briga / Era só pizza que avuava junto com as braciola.” (“Um Samba no Bexiga“)

“Jorge Maravilha” (1973), Chico Buarque

Letra: “E nada como um tempo após um contratempo / Pro meu coração / E não vale a pena ficar, apenas ficar / Chorando, resmungando /  até quando, não, não, não […] Você não gosta de mim, mas sua filha gosta”

“Pra Não Dizer que Não Falei das Flores” (1968), Geraldo Vandré

Letra: “Caminhando e cantando / E Seguindo a canção / Somos todos iguais / Braços dados ou não […] Vem, vamos embora / Que esperar não é saber / Quem sabe faz a hora / Não espera acontecer […] Há soldados armados, amados ou não / Quase todos perdidos de armas na mão / Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição / De morrer pela pátria e viver sem razão”.”

“Uma Vida Só (Pare de Tomar a Pílula)” (1973), Odair José

Letra: “Pare de tomar a pílula”

“Hoje É Dia de El-Rey” (1973), Milton Nascimento e Dorival Caymmi

Letra: “Filho, meu ódio você tem / Mas El Rey quer viver só de amor / Sem clarins sem mais tambor/ Vá dizer: nosso dia é de amor /  [Filho:] Juntai as muitas mentiras / jogai os soldados na rua / nada sabeis desta terra / hoje é o dia da lua / Leva daqui tuas armas / então cantar poderia / mas nos teus campos de guerra / hoje morreu poesia.”

“Cruel Cruel Esquizofrenético Blues“ e “Ela Quer Morar Comigo na Lua”, (1982), Blitz

Letra: “Esse vazio idiota que te consome/E some com a tua paz / Que se foi como aquela empregada radical / Que você mandou embora numa cena feia / Depois da ceia na noite de Natal / Só porque ela pegou no peru do seu marido” (“Cruel Cruel Esquizofrenético Blues”)

“Ela diz que eu ando bundando” (“Ela Quer Morar Comigo na Lua”)

“Vaca Profana” (1984), Caetano Veloso e Gal Costa

Letra: “Dona das divinas tetas / Derrama o leite bom na minha cara / E o leite mau na cara dos caretas”

“Opinião” (1964), Zé Neti

Letra: “Podem me prender / Podem me bater / Podem, até deixar-me sem comer / Que eu não mudo de opinião / Daqui do morro / Eu não saio, não”

 

 

@ “”Da minha cela na cidade de Nova York / Eu posso ouvir os cacerolazos [panelaços] / Eu sinto o seu cheiro, Pinero  / Todos os ratos malditos têm o mesmo cheiro / Então cuidado Bolsonaro, Guido e Moti e Trump / O cacerolazo é mais alto que todas as suas armas / É o coração das pessoas batendo / E a mensagem está perfeitamente clara / Nossa mãe Terra simplesmente não está à venda”.  Versos da canção “El Derecho de Vivir en Paz”, do chileno VICTOR JARA, adaptados por ROGER WATERS, do Pink Floyd

@ Hoje é dia de celebrar com Helder Cavalcanti, Renato Cabral, Maria de Lourdes Percol e Sueli Barbosa que aniversariam. Parabéns!

@ O Ceará, nosso vizinho e o terceiro estado com mais contaminados pelo coronavírus, oferece uma grande possibilidade de contaminação dos mossoroenses e dos moradores das outras cidades potiguares com as quais tem fronteira. Barreiras sanitarias nas BRs 304 e 405 são necessárias e urgentes.

@Homewear é tendência de moda e estilo que chega forte com o coronavírus. Uma vez que as pessoas ficam mais em casa, elas começam a consumir mais roupas que são confortáveis, mas que também são arrumadas o bastante para aparecer em uma videoconferência ou sair de casa para resolver alguma tarefa,

@ A 16ª. Caminhada de Santo Expedito 2020,  marcada para o dia 19 de Abril,  foi adiada. Logo que seja possível e permitido, uma nova data será marcada e anunciada.

@ Contato com o blog através do whatssap 84 987121662 e e-mail [email protected].

@ Estamos no Instagram @paulordpinto16. Sigam-nos!

 

Notícias semelhantes
Comentários
Loading...
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support