Câmara

Projeto que instala pontos de coleta de pneus usados é aprovado

Na sessão foi lida uma moção de repúdio, assinada pelos vereadores, à conduta dos parlamentares da bancada federal do estado do Rio Grande do Norte.



A Câmara Municipal de Natal aprovou, na sessão ordinária desta terça-feira (9), o Projeto de Lei n.º 0070/2018, de autoria do vereador Franklin Capistrano (PSB), que dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de pontos de coleta de pneus usados (inservíveis) nos estabelecimentos que comercializam pneus. “Aprovamos uma matéria que vai melhorar a saúde ambiental, evitando que doenças se propagem, como a dengue e chikungunya. O descarte inapropriado pode causar diversos impactos à natureza”, afirmou Franklin Capistrano.

Outro Projeto aprovado foi o 263/2018, da vereadora Carla Dickson (PROS), que reconhece de Utilidade Pública Municipal a “Associação Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos – Força Sindical”, com sede e foro nesta capital.

Na sessão foi lida uma moção de repúdio, assinada pelos vereadores, à conduta dos parlamentares da bancada federal do estado do Rio Grande do Norte. A moção faz referência aos cortes nas verbas destinadas ao Terminal Turístico da Praia da Redinha.

O vereador Preto Aquino (Patriota), autor do requerimento da moção de repúdio, lamentou a conduta dos parlamentares potiguares da bancada federal. “Eu vejo essa decisão com muita tristeza porque todos os parlamentares foram muito bem votados pelos eleitores de Natal, se não puderam ajudar a cidade através da emenda de bancada, que ajudem cada um através dos seus mandatos”, disse Preto Aquino.

O presidente da Câmara Municipal, vereador Paulinho Freire (PSDB), destacou que os parlamentares municipais pretendem lutar para que os recursos voltem a serem destinados à cidade. “Por que só Natal tem que perder? Na pior das hipóteses deveria ter sido feito um corte linear e não total. O Terminal Turístico é uma obra de suma importância por se tratar de um segmento tão importante para nossa cidade. Nós iremos lutar para se fazer justiça, ou seja, para que obra seja devolvida à Redinha”, comentou Paulinho Freire.

Notícias semelhantes