Alerta

Exploração de poços maduros pela iniciativa privada poderá cortar 150 empregos

Sindicato afirma que campo Riacho da Forquilha emprega atualmente 350 pessoas e a Petrorecôncavo anunciou que vai oferecer apenas 200 postos de trabalho



A exploração de poços maduros do Campo Riacho da Forquilha poderá redundar na diminuição de 150 empregos diretos. O alerta é feito pelo Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (SINDIPETRO/RN), regional de Mossoró. Em entrevista ao Meio Dia FM, programa da Rádio 95, nesta segunda-feira, 13/5, o secretário-geral da entidade, Pedro Lúcio, afirmou que, ao contrário do que muita gente pensa, o campo Forquilha não está abandonado.

“Quando se fala que a entrada em operação da Petrorecôncavo vai ser a salvação, é porque não se sabe da realidade. O campo Forquilha não está abandonado. Hoje, ele opera empregando 350 pessoas. Se a Petrorecôncavo diz que vai empregar 200 pessoas, isso significa dizer que vamos perder 150 empregos diretos”, afirmou.

Na entrevista, Pedro Lúcio também citou que haverá queda de investimentos. “A Petrobras investe hoje, no campo Forquilha, 400 mil dólares. A Petrorecôncavo diz que vai investir 150 mil dólares. Então teremos uma queda de 250 mil dólares nos investimentos.

Pedro Lúcio também questionou o processo de licitação e venda dos poços maduros do Campo Riacho da Forquilha. A 3R Petroleum havia sido a grande vencedora da licitação, cujo preço final de venda ficou em US$ 453,1 milhões. Ocorre que, dias depois, a empresa anunciou a sua desistência do negocio. “A legislação aplicada a esse tipo de licitação estabelece que em caso de desistência, o segundo colocado, interessado no negócio, deve assumi-lo nas mesmas condições da empresa vencedora. Então, estamos questionando na Justiça porque a Petrobras abriu mão de cobrar o preço pelo qual o negócio foi fechado com a 3R Petroleum”, frisou.

Notícias semelhantes